Criado pelo PT, Bolsa Família pode ser trunfo de Bolsonaro nas eleições 2022

A pouco mais de um ano da eleição, Governo Federal turbinará o programa assistencialista e usurá isto contra Lula

Bolsa Família
Legenda: Bolsa Família será remodelado e terá aumento de pelo menos 50%
Foto: Shutterstock

Quem diria que uma criação petista pode ser um dos principais trunfos eleitoreiros para Jair Bolsonaro em 2022?! Na frenética montanha-russa de ironias e reviravoltas da política brasileira, de dar inveja aos mais engenhosos roteiristas ficcionais, este paradoxo nem é tão espantoso assim, mas não deixa de ser inusitado.

Implementado em 2004 pelo então presidente Lula, o Bolsa Família, por anos, foi estigmatizado por alas da direita como um programa de forte DNA eleitoral e rotulado como um apelativo puxador de votos assistencialista.

Lá se vão quase cinco anos desde que o PT saiu pela porta dos fundos do Palácio do Planalto, e nem o breve Governo de centro-direita de Michel Temer e tampouco o de extrema-direita de Jair Bolsonaro, já no seu terceiro ano, ousaram mexer no programa.

Vez ou outra, especularam-se ideias de mudança de nome, cujo intuito era justamente dissociar a marca Bolsa Família da gestão petista, mas nunca passou disso.

Agora, a pouco mais de um ano das eleições, a ideia do Governo Bolsonaro é turbinar o programa, aumentando significativamente o dinheiro das mensalidades.

Os beneficiários recebem, em média, R$ 192, e o presidente já afirmou que deve ser aplicado um aumento de pelo menos 50% nas parcelas. A ideia é que a engorda no valor ocorra tão logo chegue ao fim o pagamento do auxílio emergencial.

Peso político e econômico

Aliás, não resta dúvida de que a estratégia de robustecimento do Bolsa Família tem amparo no sucesso político do auxílio emergencial que, no ano passado, foi um pilar para a manutenção da popularidade de Bolsonaro em meio à pandemia.

O fortalecimento da musculatura do Bolsa Família não poderia ter um timing econômico e político melhor. Especialistas apontam que os valores estão muito defasados e isto ficou ainda mais evidente com a alta da inflação dos produtos essenciais e a proliferação da pobreza gerada pela pandemia.

> Confira outros artigos do colunista

Politicamente, Bolsonaro e equipe correm para emplacar feitos positivos em meio à crescente reprovação ao mandatário e à avalanche de pautas corrosivas que desaba sobre o Governo, com a CPI da Covid capitaneando dia após dia o noticiário e escancarando a horrenda gestão da crise sanitária.

O fôlego extra a ser concedido ao Bolsa Família tem potencial para sensibilizar um contingente significativo de eleitores de baixa renda para o flanco de Bolsonaro, o que numa cajadada só também pode prospectar um público historicamente avizinhado ao petismo.

Na colérica guerra política pelo poder que se desenha entre Bolsonaro e Lula em 2022, pelo que se conhece deles, os dois postulantes, ambos sedentos pela faixa presidencial, deverão usar toda e qualquer medida que os ajude a vencer, pouco importando se, no passado, aquela arma já esteve nas mãos do inimigo.