Ceará inova e investe em produção inédita de garoupa

Aquicultura do Estado pode ter um novo vetor de geração de empregos e renda

Garoupa criação
Legenda: Gaiola inserida em tanque de lona suspenso
Foto: Divulgação/Funcap

Em um trabalho para diversificar a aquicultura, o Ceará está apostando no projeto de criação e engorda da garoupa, um pescado de alto valor agregado e forte aceitação comercial.

O pontapé inicial da empreitada, inédita no Nordeste, deu-se em novembro de 2021, quando 150 alevinos, nome dado aos filhotes do peixe, foram trazidos da Bahia para Cascavel — a 61 quilômetros de Fortaleza.

Até o momento, os retornos já são promissores, como destaca a esta Coluna Sílvio Carlos Ribeiro, secretário Executivo do Agronegócio: "Os primeiros resultados são surpreendentes. A perspectiva é muito boa".

Os peixes são criados em gaiolas em tanque de lona suspensa, com sistema fechado de recirculação de água. Em 40 dias, conforme a primeira medição, os animais ganharam 30% de peso e chegaram a 250 gramas, o que é considerado satisfatório.

A ideia é que atinjam 600 gramas, mas a marca de 1 kg também será testada, diz Felipe Matias, Cientista Chefe da Pesca e Aquicultura da Funcap (Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico)/SDA (Secretaria do Desenvolvimento Agrário).

Garoupa
Legenda: Exemplar de garoupa engordada no Ceará, no momento da pesagem
Foto: Divulgação/Funcap

"Em breve, teremos a garoupa definitiva e a possibilidade de apresentar a viabilidade econômica do projeto. Em maio, devemos ter o tamanho comercial. A priori, demonstra-se que é lucrativo", antecipa o pesquisador.

Sobre o valor de mercado, ele frisa que a garoupa inteira custa em torno de R$ 30, enquanto a tilápia, em comparação, vale aproximadamente R$ 8.

Viabilidade econômica e expansão

Até o fim do ano, devem ser conhecidas as conclusões sobre a viabilidade econômica do projeto.

Em uma fase mais avançada, há a intenção de realizar a produção em currais de pesca e em tanques suspensos nas fazendas. "Assim, a gente revitaliza uma cultura do Ceará. A ideia seria disseminar isso por todo o Estado, nas comunidades litorâneas", projeta Felipe.

O policultivo da garoupa com o camarão e a alga, ou seja, com as três culturas de forma simultânea, também já apresentou bons resultados nos estudos iniciais.

Retomada da aquicultura

Por muitos anos, relembra Felipe, o Ceará, que é o maior exportador de pescados do Brasil, foi um modelo na aquicultura nacional, mas essa vertente se enfraqueceu. "Já fomos líderes na produção de tilápia e camarão, mas isso mudou. Hoje somos o segundo em camarão e despencamos no ranking da tilápia. Por isso, precisamos diversificar, e nossa aposta é a garoupa", afirma.

O projeto é uma parceria entre o Programa Cientista Chefe da Funcap, a Sedet (Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho), a  Secitece (Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior), a SDA e o Instituto Centec, com apoio de uma empresa baiana, a Prime Sea Food e do produtor cearense Beto Lemos.

Caso a viabilidade econômica se concretize, Sílvio Carlos afirma que o Estado promoverá o viés gastronômico do peixe, assim como fizera com tilápia e atum. A indústria de conservas é apontada como outra potencial parceira para o crescimento do consumo de garoupa no Ceará, mas o produto pode ser vendido em outros estados e até exportado.

Além do cientista-chefe, a equipe de pesquisa é composta ainda por Viviana Lisboa (Funcap/SDA), Pedro Henrique (Sedet), Marcelo Torres (Sedet/Centec) e Antônio Albuquerque (Sedet/Centec).



Assuntos Relacionados