Sarto sancionará projetos que preveem igrejas e atividades físicas como essenciais; entenda

Haverá, contudo, regulamentação. As duas atividades não estão livres do decreto de distanciamento social em vigor

Academia de ginástica
Legenda: Academias de ginástica seguem com funcionamento proibido durante lockdown na Capital
Foto: Helene Santos

O prefeito José Sarto (PDT) vai sancionar, na próxima quinta-feira (11), dois projetos aprovados na Câmara Municipal de Fortaleza - de dois vereadores de oposição, diga-se de passagem - que declaram como atividades essenciais na Capital as de templos religiosos e também atividades físicas. 

A sanção, entretanto, não significa que as duas atividades estão livres do decreto de distanciamento social rígido e, por enquanto, estão mantidas as regras do decreto em vigor.

É que o chefe do Executivo tem um prazo de 30 dias para regulamentar as medidas e aí é o cerne da questão. A Prefeitura irá procurar representantes dos setores para tratar dos limites dessa autorização em momentos de calamidade como os que estamos vivendo atualmente. 

Esta coluna apurou que os autores das medidas, Ronaldo Martins (Republicanos), no caso das igrejas, e Danilo Lopes (Podemos), das atividades físicas, já foram comunicados das sanções, mas também do diálogo sobre as regulamentações. Por óbvio, o presidente da Casa, Antônio Henrique (PDT), aliado de Sarto e que tem interesse no caso das igrejas, está participando das articulações.

Regulamentação

A ideia do prefeito é impor limites para as atividades como restrição de público nos espaços físicos em questão, obrigatoriedades de usos de equipamentos de proteção individual e outras regras a serem cumpridas.

Em relação às atividades físicas, estão incluídas nos debates as academias de ginástica.

A regulamentação ocorre no momento em que a capital cearense está sob decreto de lockdown em que só estabelecimentos considerados essenciais podem funcionar.