Operação contra Cid e Ciro Gomes agita o cenário eleitoral e dá amostra de como será 2022

Esta é a maior operação da Polícia Federal já realizada contra os líderes do grupo governista, até por ter um senador da República e um pré-candidato a presidente como alvos diretos

Cid Gomes e Ciro Gomes em campanha eleitoral em 2018
Legenda: A operação ocorre em um momento de turbulências para a pré-candidatura de Ciro Gomes e incertezas na aliança local
Foto: Alex Costa

A mais nova informação que agita o cenário eleitoral cearense - e nacional - põe no olho do furacão o pré-candidato à Presidência Ciro Gomes e o seu irmão, o senador Cid Gomes, dois líderes do grupo governista no Estado, no momento em que se prepara a sucessão do governador Camilo Santana (PT) e do presidente Jair Bolsonaro (PL). 

O tamanho da operação, com 14 alvos e 80 agentes federais envolvidos, e o vazamento da decisão em um processo sigiloso para veículos da mídia nacional, transportam o assunto, inevitavelmente, para a arena eleitoral de 2022. Ciro, em postagem nas redes sociais, nega veementemente as acusações e faz duras críticas à operação. 

Apesar de já haver notícias de investigações anteriores contra aliados de Cid e Ciro Gomes, esta foi, até o momento, a maior operação da Polícia Federal, contra os líderes do grupo governista local, até por envolver nominalmente o presidenciável e também um senador da República, com cumprimento de mandados em residências dos dois e de advogados próximos, além da quebra de sigilos fiscal, bancário, telefônico e telemático. 

A ação dos agentes, autorizada pela Justiça Federal, também indica abrir a temporada de denúncias que devem se intensificar com a aproximação do pleito eleitoral, conforme já ocorreu nas eleições passadas de 2018 e 2020. 

Como se trata de fatos levantados em delação premiada em 2016 e 2017 e ocorridos há cerca de uma década - entre 2010 e 2013 - é difícil apontar os rumos que a investigação vai tomar. Até porque os fatos são derivados de uma única delação premiada. 

Entretanto, o cenário político não espera a conclusão de investigações e nem a comprovação eventual de culpabilidade. As repercussões são imediatas. 

Cenários eleitorais

Os fatos ocorrem em um momento de turbulência para a pré-candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República.  

A entrada do ex-juiz Sérgio Moro no tabuleiro eleitoral retirou, pelo menos que indicam as pesquisas, a posição de terceiro colocado isolado na corrida presidencial de Ciro. Além disso, o ex-juiz da Lava-jato ocupa um espaço cuja narrativa discursiva, da terceira via, é o mesmo do pré-candidato do PDT.  

Do ponto de vista estadual, o momento também é de incertezas em relação a sucessão de Camilo Santana (PT).

A aliança entre petistas e pedetistas, embora seja provável, enfrenta algumas resistências. Além disso, a base aliada de Camilo vem sofrendo com turbulências como a entrada de Jair Bolsonaro no PL e o apoio do PP ao presidente.  

Some-se a isso a disputa entre base e oposição estadual pelo comando do partido União Brasil, resultante da fusão entre PSL e DEM. 

O ano de 2021 ainda nem terminou e 2022 já chegou com tudo.