Funceme indica: até 10 de fevereiro, chuvas acima da média

Região Norte e Litoral terão precipitações abaixo da média, segundo revela um novo produto de acompanhamento e análise da tendência do clima para até 45 dias,

Legenda: As chuvas no Ceará, neste mês de janeiro, estão acima da média na maioria das regiões
Foto: Camila Lima/SVM

Atenção! Um novo produto da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) já está em operação. Trata-se de um sistema acompanhamento e análise de tendência do clima para até os próximos 45 dias.

E a primeira indicação da tendência foi comunicada nesta segunda-feira a um grupo de empresários da agropecuária cearense, que são diretamente dependentes das chuvas para o planejamento de suas culturas.

O presidente da Funceme, Eduardo Sávio Martins, disse ao grupo, com o qual se reuniu por vídeo conferência, que, até o próximo dia 10 de fevereiro, “a tendência é de que as regiões Centro-Sul, Cariri, Sertão Central e Jaguaribana tenham chuvas acima da média histórica”, o que já vem acontecendo.

De acordo com Martins, o Litoral cearense, que sempre registra altos índices de pluviometria, e a Região Norte terão, nesse período, chuvas abaixo da média.

Durante a conversa com os agropecuaristas, o presidente da Funceme revelou que, neste momento, a Zona de Convergência Intertropical – que provoca chuva desde o Nordeste até parte do Norte dopaís – “está neutra”, ou seja, sem tendência para descer ou subir a Linha do Equador. Para causar chuva no Nordeste, uma descida de meio grau da ZCIT é suficiente, explicou Eduardo Martins.

Ele confirmou que, neste mês de janeiro, “e desde dezembro”, o índice de chuvas no Ceará já está, na maioria das regiões, até 54,6% acima da média histórica, mas lembrou que o mês ainda não terminou. 

“A média histórica para o mês de janeiro é de 98,8 milímetros. Já chegamos a 120,5 milímetros”, disse Eduardo Martins, abrindo um sorriso.

Com base nas análises que a Funceme recebe dos diferentes organismos mundiais que monitoram o clima, Martins admitiu que o fenômeno La Niña, que tem provocado enchentes do Sudeste e seca e calor no Sul, deverá continuar por mais algum tempo, e antecipou que há sinais de que, em outubro, seja iniciado um período de El Niño, que costuma provocar seca no Nordeste e enchentes no Sul e Sudeste.