Evangelho de hoje 17/01 (Mc 2,18-220

"Ninguém põe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos ”

Legenda: "O homem de mentalidade mundana não entende as coisas do espírito"
Foto: Divulgação

Naquele tempo: Os discípulos de João Batista e os fariseus estavam jejuando. Então, vieram dizer a Jesus: 'Por que os discípulos de João e os discípulos dos fariseus jejuam, e os teus discípulos não jejuam?' Jesus respondeu: 'Os convidados de um casamento poderiam, por acaso, fazer jejum, enquanto o noivo está com eles? Enquanto o noivo está com eles, os convidados não podem jejuar. Mas vai chegar o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; aí, então, eles vão jejuar. Ninguém põe um remendo de pano novo numa roupa velha; porque o remendo novo repuxa o pano velho e o rasgão fica maior ainda. Ninguém põe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos'.  

Reflexão - “O homem de mentalidade mundana não entende as coisas do espírito” 

O reino de Deus que Jesus Cristo veio instaurar na terra é completamente diferente do reino dos homens. Por isso, o homem de mentalidade mundana não entende as coisas do espírito. Neste Evangelho, diante da observação dos fariseus em relação ao jejum Jesus nos ensina a entender as coisas do alto com um espírito renovado e despojado e um coração novo, não apenas remendado. O reino dos céus tem o amor como primeira regra e tudo que foge a esta verdade destoa do que é proposto por Jesus Cristo. Para assumir com dignidade o nosso lugar no reino dos céus nós precisamos de renovação, isto é, de nascer de novo e ter uma nova visão sobre a realidade da vida.  Desta forma Jesus quis dar um novo sentido ao jejum que os fariseus praticavam, apenas para cumprir a lei. O jejum só tem sentido se for praticado movido por uma razão que tenha como fundamento o amor, a alegria, a satisfação. Assim sendo, Jesus justifica o fato dos Seus discípulos não jejuarem alegando que não havia motivo, para que eles assim o fizessem, pois sentiam a alegria da Sua presença.  Por isso, Jesus comparou isto a uma festa de casamento, onde todos se regalam por causa do noivo. Jejuar por obrigação, só para dar satisfação às regras impostas pelos homens se torna uma ação ineficaz, como um vinho novo colocado em odres velhos e, talvez, até seja rejeitada por Deus. O Jejum de coração, oferecido a Deus em vista de um bem maior é o vinho novo colocado em odre também novo. Tudo o que fizermos forçados ou por obrigação não terá sentido, por isso, também não ajuda no nosso crescimento. O remendo novo em pano velho rasga-o; o vinho novo em odre velho rompe-o. Portanto, precisamos de nova mentalidade, necessitamos de abertura interior e um coração renovado para que aconteça em nós a purificação necessária e nos tornemos novos, para acolher o novo.  -   Você tem feito as coisas   para o reino de Deus por amor ou por obrigação? – Você tem cumprido com a sua missão, de coração? – Você tem feito algo forçado com má vontade? – Como você encara as propostas de Jesus para a sua vida? - Qual o sentido que você dá ao jejum? Para que finalidade você jejua? Como você se sente?

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO