Fortescue fará leilão para comprar energias renováveis

Uma fonte que acompanha o projeto da empresa australiana de instalar uma unidade de produção de Hidrogênio Verde no Ceará informa que será a prmeira compra de energia da Fortescue.

Legenda: A australiana Fortscue avança em seus planos de produzir Hidrogênio Verde no Complexo Industrial e Portuário do Pecém
Foto: Fortscue/Divulgação

Uma fonte desta coluna, que acompanha muito de perto as tratativas da Fortescue para implementar seu projeto de produzir Hidrogênio Verde no Complexo do Pecém a partir de 2025, revelou ontem, terça-feira, 23, que a empresa australiana promoverá uma espécie de leilão entre os maiores fornecedores brasileiros de energia eólica e solar.
 
"Será a primeira compra de energia que os australianos da Fortescue realizarão aqui", acrescentou a fonte.


 
Essa disputa juntará cerca de 20 empresas concorrentes, estimou a mesma fonte, citando que quase todas elas já atuam no mercado nacional de geração e comercialização de energias renováveis.
 
A fonte citou, nominalmente, as empresas Servtec e Casa dos Ventos - pilotadas, respectivamente, pelos empresários cearenses Lauro Fiúza Júnior e Mário Araripe - além da Omega, outra gigante do setor, como possíveis interessadas em fornecer energia limpa para o projeto de produção do H2V dos australianos.

Uma licitação, pública ou privada, sempre tem o objetivo de buscar o menor preço do fornecedor, mantendo, porém, a qualidade do produto e a pontualidade da entrega, explicou a fonte, para a qual o mercado livre de energia ganhará com a Fortescue não só mais um parceiro importante, mas novos métodos de relação entre geradores, vendedores e compradores de energia renovável.

A propósito: a CEO mundial da Fortescue, Julie Shuttleworth, e seu time de 18 altos executivos que o acompanham em sua visita ao Ceará, devem ter dissipado todas as dúvidas sobre o potencial de geração de negócios do Complexo Industrial e Portuário do Pecém, do qual é sócio estratégico o Porto de Roterdã. 

Durante toda a manhã de ontem, ela ouviu exposições sobre o  Porto do Pecém, sobre a presença e a expertise de Roterdã na sua gestão e, principalmente, sobre o projeto do Hub de Hidrogênio Verde do Ceará, que a trouxe aqui com os CEOs de sua empresa para a América Latina e para o Brasil, o que é um detalhe muito relevante.
 
Durante a reunião-almoço com o governador Camilo Santana, Julie Shuttleworth anotou as virtudes da administração estadual cearense, conhecida por cumprir e respeitar contratos e por manter ajustadas as contas públicas. 

Também teve a oportunidade de aprofundar seu conhecimento a respeito das muito boas relações do governo do Estado com o estamento empresarial.
 
Seu encontro com o presidente da Fiec, Ricardo Cavalcante, realizado após sua reunião com o governador do Estado, deu-lhe a certeza de que, pelo menos no Ceará, o setor público está afinado, estrategicamente, com a área produtiva e também com a academia (Ricardo Cavalcante falou para Julie a respeito da participação da UFC no projeto do Hub do Hidrogênio Verde).

O secretário do Desenvolvimento Econômico, Maia Júnior, que pessoalmente está em tempo integral dedicado a atrair grandes players mundiais para o projeto do Hub do Hidrogênio Verde no Ceará, mantém contido otimismo e os pés no chão da realidade.

A produção do H2V é um projeto a que estão dedicados, hoje, grandes países, que procuram os melhores locais para fazer investimento na área.
 
O Ceará e seu Complexo Industrial e Portuário do Pecém é uma dessas atraentes áreas. Mas há grandes desafios a serem superados - e o governo cearense e seus parceiros Fiec e UFC -- sabem disso. É preciso lembrar que, com a mesma intenção da Fortescue, estão vindo a Shell, a Total e a British Petroleum.

Hoje, quarta-feira, 24, e amanhã, quinta, 25, a Fiec promove um seminário sobre Hidrogênio Verde, coincidindo com a presença no Ceará da delegação de altos dirigentes da australiana Fortscue. 

ATENÇÃO, PRODUTOR RURAL CLASSE A!

Se você é produtor rural da Classe A, deve estar atento para esta informação: no próximo dia 31 de dezembro, terminará o prazo para a Revisão Cadastral dos Benefícios Tarifários de Rural e de Água, Esgoto e Saneamento.

No Ceará, há cerca de 400 produtores rurais da Classe A que ainda não fizeram sua revisão cadastral, que tem o objetivo de garantir a manutenção dos descontos na tarifa de energia elétrica para várias atividades, inclusive as de irrigação e aquicultura.

Os benefícios, para os que não fizerem a Revisão Cadastral, serão suspensos, imediatamente, no dia 1º de janeiro de 2022.

EMBRAER NO CENTRO AEROESPACIAL DA HOLANDA

Tornaram-se parceiros, por meio de Um Memorando de Entendimento, a Embraer e o Centro Aeroespacial Real da Holanda (Royal NLR, em inglês). 

O entendimento é para potencial colaboração estratégica relacionada à pesquisa aeroespacial. As áreas de pesquisa incluem desenvolvimento de tecnologia e inovação em sistemas de defesa e espaciais, aviação geral, MRO, mobilidade aérea e sustentabilidade.
 
O memorando traz a possibilidade de estender e aumentar as relações de longo prazo das duas partes durante o projeto e desenvolvimento de produtos da Embraer, como a família de E-Jets e os modelos recentes de E-Jets E2, jatos executivos, a aeronave multimissão C-390 Millennium além de outros programas. 

Neste contexto, as duas empresas já discutem potenciais oportunidades relacionadas à automação de procedimentos de manutenção.
 
“A Embraer e a NLR têm uma longa história de colaboração, com cada parte contribuindo com expertise específica necessária para conduzir pesquisas e desenvolvimentos complexos a serem aplicados em tecnologias avançadas e produtos inovadores. Este memorando é mais um passo importante em nosso relacionamento de longo prazo na Holanda e reitera o compromisso em fortalecer ainda mais nossa parceria com a NLR em um dinâmico ecossistema aeroespacial”, disse Jackson Schneider, Presidente e CEO da Embraer Defesa & Segurança.
 
Nas últimas duas décadas, Embraer e Royal NLR têm trabalhado em estreita colaboração em pesquisa e desenvolvimento em áreas como novos materiais, tecnologias de cabine de pilotos, desenvolvimento de sistemas, aerodinâmica e ruído externo aplicados nos produtos de ponta da empresa, incluindo ensaios e modelos avançados de aerelasticidade em túnel de vento.