VAR, polêmicas e mudanças: Fernanda Colombo e Janette Arcanjo analisam momento ruim da arbitragem

Profissionais que já atuaram no campo avaliam ambiente do apito no Brasil, com recentes confusões e demissão de Gaciba

Fernanda Colombo e Janette Arcanjo
Foto: Divulgação

Voltar atrás de uma decisão. Em alguns momentos pode ser fácil: falar algo, se arrepender e pensar diferente. Agora, em uma partida de futebol? Lances rápidos que exigem decisão, ou melhor, interpretação imediata da arbitragem. Quem analisa de fora, pode ter dúvida? Ou mudar de opinião? Fernanda Colombo e Janette Mara Arcanjo, dois nomes que surgem com peso na análise da arbitragem, esclarecem que, sim, é possível mudar de opinião durante um lance. As analistas, hoje comentaristas em transmissões de futebol, tiveram experiência dentro das quatro linhas e agora estão com um “novo olhar”.

Ser árbitro talvez está longe de ser um dos empregos mais fáceis. Ao contrário, antes mesmo de algum erro no trabalho, os xingamentos prevalecem. Equivocar-se em alguma decisão pode gerar consequências irreversíveis e analisar essas decisões também não é a das melhores tarefas.

“Muitos torcedores utilizam futebol como válvula de escape. {Às vezes eles têm algum problema em casa e quando chegam nas arquibancadas, pensam que podem extravasar tudo e passam a ter uma cultura de atribuir ao árbitro o insucesso da sua equipe, então a gente precisa ponderar na hora de tecer um comentário”, ressalta Janette Arcanjo.

“Quando eu era árbitra, eu sabia que ia ser xingada. 'Opa! Agora vai mudar minha vida, virei comentarista'. E continuo sendo xingada. Então, não mudou muito. O que muda, ou melhor, o que aumentou foi nossa responsabilidade. Antes a gente interferia diretamente na partida, hoje a interferência é no pensamento público”, comenta Fernanda Colombo.

Ouça podcast no Elas no Esporte

Essa é a parte democrática do futebol. Todos têm opinião, comentam, mudam de decisão e ninguém é dono da verdade, até porque alguns lances nos 90 minutos podem apresentar diversas visões e às vezes nenhuma delas é definitiva e imune a contestações. Resumindo: arbitragem e polêmicas são sinônimos. O que poderia ajudar e até melhorar a análise do comentarista? O VAR. O equipamento chegou para esclarecer, diminuir os erros, mas se a gente for entrar neste assunto, podemos sair dele mais confuso.

“O VAR chegou para nos ajudar, minimizar algumas questões, mas infelizmente não é isso que acontece na maioria das vezes”, diz Fernanda Colombo.

Fernanda Colombo e Janette Arcanjo entendem que é preciso uma reciclagem anual com o quadro de árbitros. Os erros recorrentes no brasileirão chamaram atenção, prejudicaram equipes e a consequência foi a demissão de Leonardo Gaciba, da Presidência de Comissão da Arbitragem da CBF. Essas decisões irão sanar os erros? Não. Mas podem trazer uma reflexão sobre a importância da profissionalização na arbitragem. Enquanto isso, as mulheres seguem analisando os lances, comentando.

Fernanda Colombo e Janette Arcanjo quebraram barreiras na análise da arbitragem, mostram competência e reforçam que o universo do futebol é grande, tem lugar para todos.

Leia mais

Perfis

Janette Arcanjo

Começou na LDI – Liga de Desportos de Ipatinga - em 2000, depois que sua mãe viu pela primeira vez que o curso de árbitro seria extensivo a mulheres. “Por influência dela fiz o curso, e estou até hoje na carreira”, conta.

Quando ingressou no quadro de árbitros da Liga, Orlando Barbosa era diretor de árbitros. Na época, teve como companheiros de arbitragem Careca (atual diretor de árbitros), Aires Júlio, Gilvan Pinho, Waglândia, Gilvânia, Guilhermino, Marcial Alves, Ciganinho e muitos outros.

Em 2009, fez sua estreia na Série A do Brasileiro, no clássico Cruzeiro x Atlético pelo turno, com Paulo César de Oliveira, e na ocasião foi a primeira árbitra mineira a atuar no maior clássico estadual. Depois desse, fez mais dois, em 2013 pelo Brasileiro e 2014 pelo Mineiro. Em 2011, tornou-se aspirante Fifa ao quadro de assistente internacional feminino da referida entidade, sendo promovida ao quadro internacional em 2012. Hoje é comentarista de arbitragem na Globo.

Fernanda Colombo

Ex-assistente de arbitragem, a catarinense Fernanda Colombo encerrou a carreira nos gramados em 2016, quando resolveu se dedicar ao jornalismo esportivo. Autora do livro infantil “Vamos Jogar Futebol”, que ensina as regras do esporte para as crianças, tem passagem pela Fox Sports e, este ano, comandou a "Central do Apito" em três partidas do Campeonato Catarinense pela NSC TV, afiliada da Globo em Santa Catarina.



Assuntos Relacionados