Suporte para a família foi determinante para Silvio Romero acertar com o Fortaleza

O argentino enfatizou várias vezes como a preocupação que o Tricolor demonstrou com seus familiares foi determinante para o acerto

Silvio Romero ao lado de Marcelo Paz, presidente, e Alex Santiago, diretor de Futebol e 2º vice-presidente do Fortaleza
Legenda: Silvio Romero ao lado de Marcelo Paz, presidente, e Alex Santiago, diretor de Futebol e 2º vice-presidente do Fortaleza
Foto: Kid Junior/SVM

Jogar a Libertadores, ter a primeira experiência no Brasil, uma boa condição financeira e trabalhar com uma comissão técnica argentina. Estas foram algumas das razões que fizeram Silvio Romero acertar com o Fortaleza. Porém, um dos principais motivos não está diretamente relacionado ao campo: foi o suporte familiar.

Romero é um cara tranquilo e extremamente família. O Fortaleza ofereceu a ele toda a condição de estrutura e logística para seus familiares. Este foi um ponto determinante, como o próprio jogador de 33 anos enfatizou várias vezes.

Na entrevista de apresentação, nesta terça-feira (25) Romero citou a família nove vezes, incluindo a coletiva para a imprensa e na pré-apresentação, em respostas ao canal oficial do clube.

“Uma das principais questões que se fez na negociação foi o tema familiar. Eu tenho dois filhos, um deles com uma dificuldade, e o Fortaleza mostrou a maior vontade e disposição para, quando ele chegar em Fortaleza, ter toda a comodidade, se sentir na Argentina, com a família. Essa foi a maior virtude da negociação, que para mim era o mais importante”, destacou o novo camisa 9 leonino.

Romero se refere ao filho mais novo, Mateo, de apenas seis anos, que é uma pessoa com deficiência e precisa de cuidados como os que possuia na Argentina, com suporte para acompanhamento personalizado, como terapia, dieta, realização de exercícios, etc.

O argentino disse, inclusive, que este suporte ofertado pelo Tricolor fez a diferença na escolha entre Ceará e Fortaleza, já que o Alvinegro também negociou com o jogador.

"Sobre o que foi a negociação, tanto com o Ceará como com o Fortaleza, como disse antes, no Fortaleza encontrei uma atenção muito boa no plano familiar, sobretudo. Como clube, também ajudou muito a comissão técnica ser argentina, para adaptação, e o projeto ambicioso, que é muito bom, de muita pretensão. Isso fez inclinar a balança para o lado do Fortaleza. Porém, sem dúvidas, que o ambiente familiar que recebi foi de grande atenção e sinto que tomei, junto com minha família, a decisão correta".

É o futebol além das quatro linhas.