Análise: vitória do Fortaleza sobre a Chape premia ousadia e coragem de Vojvoda

Quando teve um zagueiro expulso, Vojvoda sacou um meia e colocou um atacante. Leitura de jogo do técnico fez a diferença para vitória do Fortaleza

Vojvoda observa jogo
Legenda: Vojvoda segue sem perder na Arena Castelão
Foto: Thiago Gadelha/SVM

"Humildade para correr, personalidade para jogar". Uma das frases mais célebres do técnico Juan Pablo Vojvoda, que retrata o estilo ofensivo e a obsessão pelo ataque implementada no Fortaleza, foi materializada em campo mais uma vez na tarde desta quarta-feira (30). A vitória por 3 a 2 sobre a Chapecoense, no péssimo gramado da Arena Castelão, premiou a ousadia e a coragem do treinador argentino que quis vencer o jogo a todo momento.

Para isso, precisou superar as adversidades. E não foram poucas. Adversário retrancado, gols perdidos no 1º tempo, gramado ruim, sair atrás no placar, pênalti marcado e depois anulado pelo VAR (corretamente). O Fortaleza passou por cima de tudo isso.

Mas não foram estes percalços que mais se destacaram, e sim um lance aos 9 minutos do 2º tempo. Naquela altura, quatro minutos após o gol de David, que já havia empatado o jogo (a Chape saiu na frente com Anselmo Ramon, de pênalti, ainda no 1º tempo), o zagueiro Juan Quintero foi expulso.

Ousadia para vencer

Yago Pikachu comemora gol marcado
Legenda: Yago Pikachu marcou o 3º gol do Fortaleza
Foto: Thiago Gadelha/SVM

Imediatamente, Jair Ventura trocou um atacante por outro (Kaio Nunes no lugar de Mike) para renovar o fôlego ofensivo. Vojvoda também mexeu. Mas ele não recompôs o sistema defensivo, como 99% dos treinadores fariam. Aos 11, com um a menos em campo, tirou o meia Matheus Vargas e colocou o atacante Robson.

Aos 16, o camisa 7 virou o jogo. E não foi num lance casual. Foi jogada trabalhada, com troca de passes envolvente, de pé em pé, criando espaços na defesa adversária até a finalização dentro da área. Mesmo criticado após as chances perdidas contra o Grêmio, Robson é o jogador do Fortaleza com mais participações diretas em gols na temporada (13 - oito gols e cinco assistências).

"Vencendo o jogo e com um a menos, agora ele vai recuar o time", muitos podem ter pensado. Aos 26, Yago Pikachu marcou o terceiro do Tricolor, que seguiu atacando. 

No segundo tempo, mesmo com um a menos, o Fortaleza controlou o jogo, com mais posse de bola (55% x 45%), trocou mais passes (208 x 168), finalizou mais (12 x 7), teve mais chutes na direção do gol (7 x 4).

Os 15 pontos conquistados em oito rodadas e a histórica campanha não são por acaso, mas por consequência de um Fortaleza que sempre joga para vencer, não importa as circunstâncias.