Ceará tem pouca evolução contra Santos e caminho para melhora pode ser as categorias de base

A equipe empatou sem gols contra o Santos neste sábado (18) pela Série A

Atletas de Ceará x Santos disputam bola pelo alto
Legenda: O sistema defensivo do Ceará foi mais sólido contra o Santos na Arena Castelão
Foto: Kid Júnior / SVM

O Ceará tem uma dívida de futebol com o torcedor na Série A: há o clamor por melhor rendimento. E a parcela de cobrança se mantém após o empate com o Santos, neste sábado (18), em nova atuação abaixo. No entanto, o cenário na Arena Castelão foi o de um time em início de trabalho, com velhos problemas, muitas ideias e em processo de evolução sob comando de Tiago Nunes.

O crescimento, mesmo tímido, atravessa as novas caras do time titular. A aposta em crias da base, como Geovane e Kelvyn, tem méritos do novo treinador e acrescentou mais dinâmica ao 4-2-3-1. A consolidação depende de sequência, mas conceder as oportunidades era um ato necessário.

Números de Ceará x Santos:

  • Posse de bola: 51% x 49%
  • Finalizações: 10 x 7
  • Passes: 391 x 389
  • Desarmes: 17 x 7
  • Faltas: 17 x 13

Atletas de Ceará e Santos disputam bola em campo
Legenda: O Ceará pressionou o Santos em busca da rápida retomada de bola
Foto: Kid Júnior / SVM

Assim, as pequenas intervenções agregam ao coletivo. Independente de qualquer melhoria, o diagnóstico é um trabalho árduo e com necessidade de uma resposta imediata sempre na rodada seguinte, como será contra a lanterna Chapecoense, no sábado seguinte, em casa de novo.

Dos demais pontos, a defesa apresentou mais solidez. A alternância entre blocos de marcação alto e médio dificultou a construção adversária, e a compactação no 4-4-2 permitiu segurança, diferente das derrotas para Grêmio e América-MG. Isso tudo apesar do pênalti cometido por Messias - desperdiçado por Marinho, e que poderia custar caro em um confronto de poucas chances.

Mudanças positivas do Ceará:

  • Alteração de peças no time titular, com uso de nomes da base
  • Maior solidez defensiva, com atuação positiva de Luiz Otávio
  • Participação do goleiro Richard em construção no 1º terço do campo
  • Tentativa de marcação em linha alta, com pressão no adversário
  • Mais finalizações que o rival, diferente dos duelos com Grêmio e América-MG

Problema no ataque

O sistema ofensivo do Ceará é o setor de mais dificuldade no momento de oscilação recente, agora com seis rodadas sem vitória. Na missão de ser agressivo, não tem o volume para assumir o protagonismo do confronto ou a eficiência para conquistar o gol.

Contra o Santos, assustou mais o adversário e foi melhor em períodos da partida, como na reta final do 2º tempo. São lampejos de coordenação e intensidade que precisam se tornar regulares para o acréscimo de rendimento.

Atletas de Ceará e Santos disputam bola
Legenda: O atacante Jael teve nova chance entre os titulares do Ceará
Foto: Kid Júnior / SVM

A tomada de decisão é uma das carências. Por vezes, os atletas ficavam espaçados e erravam passes, impedindo a progressão. O desempenho individual também precisa ser observado: o centroavante Jael, por exemplo, pouco agregou nos últimos jogos.

Os aspectos entram na conta das escolhas de Tiago Nunes. Com duas partidas na função, precisa de tempo e confiança para o desenvolvimento do trabalho, só que o Ceará urge pelo imediatismo: o primeiro pelotão da tabela se distanciou.