Com sete gols sofridos nos últimos três jogos, defesa do Fortaleza liga alerta

Sistema defensivo é ponto positivo na temporada leonina, mas quantidade de gols sofridos nas partidas mais recentes e consequentes derrotas chamam atenção. Para que setor se mantenha sólido, Chamusca fala em reforços

Legenda: O goleiro Felipe Alves tem oscilado junto com a defesa leonina nos jogos recentes
Foto: THIAGO GADELHA

Um dos principais trunfos do Fortaleza nesta temporada tem sido o sistema defensivo. Tanto que o Tricolor do Pici encerrou o primeiro turno com a defesa menos vazada da competição. Entretanto, nos últimos três jogos, o Leão do Pici perdeu o posto de melhor defesa da competição, o que já liga o sinal de alerta.

Foram sete gols sofridos nas três partidas mais recentes, contra Athletico-PR (perdeu por 2 a 1), Bahia (perdeu por 2 a 1) e São Paulo (perdeu por 3 a 2). Antes disso, foi derrotado ainda pelo Fluminense, por 1 a 0, acumulando quatro derrotas seguidas.

>Paulão testa positivo para Covid-19

Com estes resultados, antecedidos pela eliminação na Copa do Brasil para o São Paulo e com uma troca de treinador no meio do caminho, o Tricolor vive o momento de maior instabilidade na temporada. Nestes cinco jogos mais recentes, foram 10 gols sofridos, com média de dois por partida.

A oscilação reflete diretamente no aspecto defensivo. Embora mantenha um bom desempenho, o Fortaleza deixou de ostentar a defesa menos vazada da competição. Com 19 gols sofridos em 20 jogos, caiu para a 2ª colocação no critério, ficando atrás do São Paulo, que tem sofreu 17 gols em 18 jogos, e estando empatado com o Grêmio.

Sem muito tempo para lamentar, a missão é de reagir o mais rápido possível. O Tricolor volta a campo já nesta quinta-feira (19), para enfrentar o Vasco, às 19 horas, em São Januário. O caminho para voltar a triunfar e afastar a má fase passa diretamente pelo desempenho do sistema defensivo, que precisa se manter sólido.

Powered by RedCircle

Dúvidas no setor

Apesar do bom desempenho, a zaga tem sido um setor que tem passado por constantes mudanças no Fortaleza. Paulão é titular absoluto e incontestável, fazendo grande temporada, mas ainda não há certeza sobre a definição de quem é o seu companheiro fixo, e para piorar, o zagueirão está com Covid-19 e ficará afastado por pelo menos 10 dias.

Jackson foi utilizado por Chamusca na última partida. Já havia atuado também contra o Athletico-PR. Porém, Roger Carvalho vinha de uma sequência anteriormente e estava atuando bem, até ser expulso contra o Fluminense e perder espaço.

Antes titular absoluto, o colombiano Juan Quintero, que tem sofrido com lesões recentes, vem sendo pouco utilizado.Com isso, o Tricolor está no mercado buscando reforços para a posição.

"A gente está com nomes encaminhados e posições definidas. São posições que a gente entende que existe carência. É importante, por se um ano atípico e de jogos encaixotados. Analisamos que precisamos de um plantel de número maior, com características parecidas ao que temos. Extremos de velocidade, a busca por um jogador central com capacidade de organização (João Paulo) e vamos buscar zagueiros também. Temos uma carência, um número pequeno e precisamos buscar no mercado", disse o técnico Marcelo Chamusca, após a derrota para o São Paulo.

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte