Fábio Carneirinho é internado com Covid-19 em Barbalha e passa por técnica de ventilação artificial

Cearense está hospitalizado há três dias

Fábio Carneirinho é presente nos principais festivais de música do Cariri
Legenda: Fábio Carneirinho é presente nos principais festivais de música do Cariri
Foto: Divulgação

O cantor e compositor Fábio Carneirinho foi diagnosticado com Covid-19 e internado em um hospital privado em Barbalha, na Região do Cariri, na terça-feira (13). Para melhorar a respiração, o cearense recebe Ventilação Não Invasiva (VNI). Na unidade, ele segue com cuidados médicos e de enfermeiros.

"Estou certo de que logo venceremos essa batalha, com fé em Deus. Obrigado a todos pelas orações, carinho e apoio!", declarou o cantor em nota. 

Na quarta-feira (14), Fábio Carneirinho também atualizou os fãs com um texto sobre os cuidados que recebe na internação. "Permaneço instável e respirando sem muita dificuldade, apesar do cansaço. Dormi bem, tenho me alimentado sem problemas, mas a tosse ainda incomoda bastante".

Fábio Carneirinho publicou foto em leito em uma rede social
Legenda: Fábio Carneirinho publicou foto em leito em uma rede social
Foto: Reprodução/Instagram

O que é Ventilação Não Invasiva (VNI)?

De acordo com a literatura médica, a VNI é uma técnica de ventilação artificial na qual não é empregada qualquer tipo de prótese traqueal, sendo a conexão entre ventilador e paciente feita por uso de máscara, utilizando-se de diversas modalidades ventilatórias. O procedimento pode evitar 60% dos casos de intubação traqueal e amenizado complicações.

No Ceará, o Hospital Regional do Cariri (HRC) é uma das unidades hospitalares que recorre à técnica. O procedimento é usado em pacientes que não conseguiram apresentar melhoras com o uso do respirador padrão e, com isso, desenvolveram desconforto respiratório.

Inicialmente, é realizado um teste de 30 minutos com o equipamento, cujo objetivo é verificar se houve benefícios para o usuário, explica a coordenadora da fisioterapia do HRC, Suiane Ferreira Soares.

“O paciente precisa ter tolerado bem a máscara, ter melhorado o desconforto respiratório e não ter feito uso de musculatura acessória, além de manter a estabilidade hemodinâmica. A VNI tem evitado muitas intubações na nossa unidade hospitalar e a ação da fisioterapia tem sido determinante nesse sentido de diminuir os riscos decorrentes desse procedimento e do tempo de permanência nas UTIs”, ressalta.

Ouça o podcast 'É Hit', com João Lima Neto:

Powered by RedCircle

Quero receber conteúdos exclusivos do É Hit