Pastor defende que 'mendigos têm o dever bíblico de passar fome'

A declaração do líder da Igreja Batista Redenção de São Paulo gerou revolta nas redes sociais

Marcos Granconato segurando uma arma
Legenda: Líder religioso é adapto ao uso de armas e aconselha pessoas a se armarem legalmente
Foto: reprodução/redes sociais

O pastor e líder da Igreja Batista Redenção de São Paulo, Marcos Granconato, defendeu que "mendigos têm o dever bíblico de passar fome" em uma publicação realizada nas redes sociais no último do domingo (1º). A opinião causou revolta entre os internautas nesta semana. 

"A maioria dos mendigos têm o dever bíblico de passar fome, pois Paulo diz aos tessalonicenses: 'Se alguém não trabalha, que também não coma'", escreveu ele na postagem, na qual limitou os comentários. 

Publicação de pastor Marcos Granconato
Foto: reprodução

Um dos usuários da rede social contestou a afirmação do religioso. "Então a maioria dos mendigos são vagabundos [sic] na sua visão? O senhor diz isso com base em quê?", questionou. "Com base no que eu vejo nas ruas. Gente forte, saudável e jovem mendigando por aí! Quando vejo um doente, me compadeço. Mas quando olho para a maioria, percebo que é pura vagabundagem", respondeu Granconato. 

O pastor ainda relatou ter oferecido emprego para "um monte de mendigo". "Perguntem se eles aceitam", disse, em seguida completou com o Salmo 37:25. "Fui moço e já, agora, sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão."

'O pobre a gente ajuda, o vagabundo não'

O líder religioso defendeu que "o pobre a gente ajuda, o vagabundo não" e ainda rebateu a afirmação de outro seguidor que defendeu a existência de "pessoas fortes fisicamente, mas doentes emocionalmente e que não têm autoestima suficiente ou equilíbrio mental pra trabalhar".

"O post diz 'a maioria' e não todos. Concordo com você no caso de pessoas doentes. Física e mentalmente. Já a questão de autoestima, isso é coisa de vagabundo mesmo. Pra trabalhar não precisa de autoestima", disparou. 

Pastor é armamentista 

Marcos Granconato segurando arma em estande de tiro
Legenda: Religioso publicou esclarecimento sobre apoio ao uso de armas
Foto: reprodução/redes sociais

Em abril de 2021, Granconato foi pivô de uma polêmica após publicar uma foto com uma arma em um treino de tiro. Após a repercussão da imagem, ele fez uma postagem defendendo o armamento

"Eu quero sim influenciar pessoas, instigando-as a praticar o tiro esportivo e ter armas em casa, desde que legalmente. Eu aprovo isso como cristão e creio que todos, após cumprir certas exigências, deviam ter armas em sua residência, em seu carro e em seu local de trabalho. Acredito que isso é sábio e bom. Se eu pudesse, pregaria armado, com um coldre sob o paletó, para proteger meu rebanho de loucos assassinos que atacam igrejas indefesas", escreveu na ocasião. 

"Essa é minha visão e espero que meu post influencie sim as pessoas, levando-as a praticar o tiro com armas de fogo e, se possível, a adquirir uma arma nos termos da lei para afugentar os perversos que sempre se insurgem contra indivíduos inocentes e famílias de bem", completou. 

Antes de ir, que tal se atualizar com as notícias mais importantes do dia? Acesse o Telegram do DN e acompanhe o que está acontecendo no Brasil e no mundo com apenas um clique: https://t.me/diario_do_nordeste

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil