Imprensa sob constante ataque

Comunicar é uma tarefa árdua. Dá muito trabalho levar informação de qualidade ao leitor. Jornalistas merecem ser respeitados enquanto trabalhadores

Legenda: Imprensa sob ataque no Brasil
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Não há democracia sem a imprensa. É o jornalismo que denuncia as irregularidades do poder público e cobra o cumprimento da Constituição. Não existe democracia firme sem um jornalismo livre.

Líderes políticos, que administram o dinheiro público, precisam ser questionados de como esse recurso está sendo implementado. É por isso que os projetos que tramitam no Parlamento são tão abordados pelo jornalismo.

É de interesse público saber o que um prefeito, governador ou presidente da República fez com o dinheiro dos impostos pagos por todos nós diariamente.

Isso é jornalismo.

Comunicar é uma tarefa árdua. Dá muito trabalho levar informação de qualidade ao leitor. Informação é preciso ser checada com gente que é treinada para isso. São quatro anos dentro de uma universidade aprendendo técnicas e desenvolvendo o senso crítico.

Muitas vezes é até mais tempo do que isso porque vem uma especialização, um mestrado ou doutorado. A pesquisa em comunicação é cada vez mais necessária nos tempos de hoje, por tudo o que temos vivido.

Comunicar não é divulgar inverdades nas redes sociais e mentir de forma intencional e desenfreada. Informação salva vidas e muda o rumo de uma sociedade. Ainda mais quando estamos passando por uma pandemia que matou mais de meio milhão de brasileiros.

É o jornalismo, uma atividade essencial reconhecida por todo o País, que orienta os brasileiros que usar máscaras e lavar bem as mãos são atitudes fundamentais para evitar a transmissão da Covid-19.

Apesar da importância da comunicação, o jornalismo segue sendo atacado diariamente, por diversos atores, de diversas áreas, inclusive da política. É claro que há falhas, como em qualquer profissão. Os ataques, no entanto, não são pelos erros, e sim pelos acertos.

Líderes regionais e nacionais insistem em dar aula de jornalismo a jornalistas. Gente que nunca deu um dia de expediente no ramo e acha que sabe do que se trata. Ingenuidade ou ousadia?

Quem não aceita o jornalismo como ele é, ainda precisa aprender a conviver com a democracia, e respeitar a Constituição.

Aos colegas jornalistas, nos resta manter a firmeza, a correção e a rigidez do que se faz. Nunca foi fácil, nem será.