Desistências de Sergio Moro e Luciano Huck enfraquecem tese da terceira via para 2022

Partidos do centro ainda buscam unidade em torno de um nome

Legenda: Os pré-candidatos ao Palácio do Planalto desistiram da corrida eleitoral
Foto: Thiago Gadelha/Reprodução

Um velho cacique político conhecido dos brasileiros, o senhor Eduardo Cunha (MDB-RJ), disse à imprensa recentemente que a chamada terceira via era inviável. Ele lembrou as tentativas frustradas nos últimos 20 anos. Aos poucos, a tese vai ganhando credibilidade.

Com as desistências de Sergio Moro e Luciano Huck para a corrida presidencial, o cenário para o ano que vem indica que será mesmo o da polarização entre Jair Bolsonaro e Luiz Inácio Lula da Silva.

Quem corre ainda na busca por aliados e do apoio da classe empresarial é o cearense Ciro Gomes (PDT). O nome do senador Tasso Jereissati também é ventilado no PSDB.

Nesta quarta-feira (16), os partidos DEM, Cidadania, PSDB, PV, Podemos, MDB e SD se reuniram na busca de unidade. Porém, não há a garantia de que todos eles se unam em torno de um nome apenas. O que há é um movimento com esse objetivo. Quem ainda alimenta esperanças dentro desse grupo é o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Centro

O chamado "centro" político, que busca um candidato pra chamar de seu, já navegou pelos governos tanto do ex-presidente Lula quanto do atual presidente Jair Bolsonaro. A dificuldade desse grupo de construir uma liderança para a sucessão presidencial passa pela ausência de identidade política.

Nos últimos anos não conseguiu implementar uma agenda nem sedimentar discurso em comum. Não houve, portanto, uma marca política que se firmasse como alternativa à polarização atual. Enquanto isso, a passos largos, lulismo e bolsonarismo fincam os pés no segundo turno.

 



Assuntos Relacionados