Miscelânia futebolística

Um vaivém de sonhos, realidade e fantasias atravessa o futebol cearense no início de 2022

Michel com semblante sério em treino do Pacajus
Legenda: Ex-volante do Ceará, Michel 'Guerreiro' iniciou a carreira de treinador através do Pacajus
Foto: Thiago Gadelha / SVM

Lá vamos nós passeando pelo mundo do futebol. Enquanto Michel, que foi notável volante do Ceará, anuncia o início de sua carreira como treinador, o veterano Otacílio Neto, do Iguatu, anuncia a sua aposentadoria após a presente temporada. O primeiro, movido pela esperança de uma nova missão e um legítimo desejo de um dia ser treinador do Ceará; o segundo, já satisfeito com tantos títulos e clubes por onde passou, apta pelo recolhimento familiar. Dois destinos que divergem, lembrando até o título de uma canção imortal, gravada pelo grande Orlando Silva. Para cada, uma nova caminhada, igualmente plena de desafios, embora em outras áreas de atuação. A vida é assim: passa muito rápido. Agora mesmo o Edvardo Moraes (Vavá), que está escrevendo um livro sobre a vida do Pacoti, enviou-me uma foto coral de 1966. No ataque, Mozart e Pacoti. Parece que foi ontem. Hoje, Mozart e Pacoti são saudade. Arthur Cabral, revelado pelo Ceará, está na mira do Corinthians. Sonhos de títulos pelo mesmo Corinthians por onde Otacílio Neto passou em 2008, sendo campeão paulista e campeão da Copa do Brasil. O futebol é uma miscelânia. O David vai. Sílvio Romero chega. Um vaivém de sonhos, realidade e fantasias.

Perdas e ganhos 

O mercado da bola dita qual a decisão que um presidente de clube deve tomar diante de ofertas financeiras. Tem de ver o que é a favor e o que é contra na negociação. No caso de David, se de um lado o Fortaleza teve ganhos financeiros significativos na transação, teve perda de qualidade na saída do jogador. Não é fácil encontrar um outro jogador com o potencial de David. 

Bombardeio 

A torcida do Ceará não gostou nem um pouco da rasteira aplicada pelo Fortaleza, que fisgou o Sílvio Romero. Mas acho que o bombardeio em cima do Robinson de Castro foi duro demais. É preciso entender que, em casos assim, pesa a vontade do jogador. Em nenhum momento eu vi uma demonstração clara do atleta, falando de suas alegrias pela possibilidade de jogar no Ceará. 

Diferente 

Observem como é diferente quando o jogador quer mesmo ir para um clube. Caso do Richardson que voltou ao Ceará. Desde o primeiro contato o jogador logo se mostrou feliz por voltar ao ninho antigo. A manifestação acontece não apenas nas palavras, mas muito mais no semblante, no sorriso, na exposição ostensiva da vontade. 

Exemplo 

Levo o torcedor a examinar, por exemplo, a atitude do atacante Pablo, do São Paulo. Em nenhum momento o jogador se mostrou interessado em vir. A gente percebe logo quando há e quando não há interesse do atleta. A meu juízo, o primeiro passo para trazer um jogador é examinar sua vontade interior. Se isso não ficar muito claro desde o início, é melhor que a transação não aconteça.