Paulo Guedes quer novas liberações do FGTS ainda em 2022 para estimular economia

Ministro da Economia falou sobre iniciativas de apoio à economia durante evento do BTG Pactual

Paulo Guedes
Legenda: “Podemos mobilizar recursos do FGTS pq sao fundos provados de pessoas que tem recursos la e estão passando dificuldades", disse Guedes
Foto: Agência Brasil

O contribuinte poderá, mais uma vez, contar com a liberação de parte do saldo do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), segundo adiantou o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta terça-feira (22). A iniciativa tem o objetivo de dinamizar a economia durante o processo de recuperação da crise gerada pelo novo coronavírus. 

Além dessa medida, o Ministério da Economia deverá lançar um programa de universalização do acesso ao crédito, e redução de 25% do Imposto sobre Produtos Importados (IPI).

“Podemos mobilizar recursos do FGTS porque são fundos provados de pessoas que têm recursos la e estão passando dificuldades. Às vezes o cara ta devendo dinheiro no banco e é credor no FGTS. Porque ele não pode sacar isso e liquidar a dívida no outro lado, no outro banco?”, disse o ministro durante evento do BTG Pacutal.

“Já que arrecadação subiu fortemente, íamos investir numa reforma tributária que empacou no Senado, o Executivo prefere transformar esse ganho de arrecadação, sob forma de redução de impostos, para milhões de brasileiros, para todo mundo. Então vamos reduzir esse IPI e começar o movimento de reindustrialização brasileira”, completou. 

Recuperação própria

Sobre as previsões de crescimento do Brasil durante o próximo ano, o ministro Paulo Guedes disse que deveremos passar por uma dinâmica própria de crescimento em relação ao resto do mundo. 

“A inflação que chegou lá chegou para ficar. Vamos assistir um agravamento da situação internacional. Não estou falando só da geopolítica, mas da economia: crise energética e inflação subindo no maior país do mundo. E vai subir na Europa também. Vão rever o crescimento lá fora para baixo o ano inteiro. Vão rever o crescimento brasileiro para cima o ano inteiro”, afirmou.



Assuntos Relacionados