Empresa dificulta venda de oxigênio no Ceará, dizem prefeitos; caso vira alvo de CPI

A reclamação dos gestores é de que a White Martins está dificultando a venda do gás hospitalar para os municípios cearenses

Oxigênio hospitalar
Legenda: Cidades têm relatado dificuldade em manter abastecimento de oxigênio hospitalar

A tensão gerada pelo estoque crítico de oxigênio em hospitais municipais no Ceará ganha novos contornos à medida em que recrudesce a pandemia do coronavírus no Estado. Prefeitos cearenses, por meio da Associação dos Municípios do Ceará (Aprece), reclamam da dificuldade de acessar o produto por causa de restrições da maior fornecedora no Estado, a White Martins. 

As dificuldades relatadas por diversos prefeitos fizeram com que o deputado estadual Guilherme Landim (PDT) apresentasse proposta de criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Assembleia Legislativa para investigar o assunto. 

A empresa, dizem os gestores municipais, estaria dificultando a venda o oxigênio hospitalar para pequenos fornecedores que abastecem os diversos municípios cearenses. A escassez de oxigênio ocorreria no Estado não por falta do produto, mas sim por questões logísticas de distribuição.

Dos 184 municípios cearenses, um total de 158 utilizam, em suas unidades hospitalares, oxigênio em cilindros. A reposição do gás, portanto, ocorre por meio de fornecedores menores que compram o produto dos grandes fabricantes e revendem.

Segundo os prefeitos, a White Martins, que possui uma das maiores plantas industriais de oxigênio do País no Complexo do Pecém, estaria impondo dificuldades para liberação do produto, mesmo com o pagamento antecipado proposto por gestores.  

Procurada na noite desta terça-feira (23), a empresa White Martins informou a impossibilidade de responder nesta data e solicitou prazo até amanhã (24). O espaço está aberto para o posicionamento.

“Nós temos pessoas morrendo nas filas por leitos de UTI e em hospitais, que estão em situação crítica de abastecimento de oxigênio. Se temos uma ‘megaempresa’ que produz o gás no Ceará, qual o motivo da dificuldade? Nós precisamos de respostas urgentes, e o que posso fazer como parlamentar é isso (propor uma CPI)”, diz o Landim em entrevista a esse colunista. 

Clique abaixo e veja a íntegra do pedido de CPI:

Assembleia aprova reforço 

Na manhã desta terça-feira (23), a Assembleia Legislativa autorizou o Estado do Ceará a comprar o oxigênio da empresa White Martins e repassar aos municípios. Mesmo assim, reclamam os municípios, a empresa segue dificultando a liberação do produto para empresas menores que compram o oxigênio líquido, transformam em gás e repassam aos hospitais municipais. 

Na última semana, havia ao menos 40 municípios com dificuldade de adquirir o gás. Nesta semana, segundo a Aprece, a lista é menor.