Ata do Copom confirma: haverá novo aumento da Selic

Para o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, "é apropriado que o ciclo de aperto monetário continue avançando significativamente em território ainda mais contracionista".

Legenda: A ata da última reunião confirma: os juros básicos da economia brasileira, hoje em 13,25% ao ano, ainda subirão mais
Foto: Diário do Nordeste / Camila Lima

Haverá novo aumento da taxa de juros Selic na próxima reunião de agosto do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. Essa alta deverá ser de 0,50 pontos percentuais e seu objetivo será o de continuar combatendo a subida dos preços no país.
 
Est coluna colheu da ata da última reunião do Copom os trechos abaixo, que vão publicados na íntegra:

“Considerando os cenários avaliados, o balanço de riscos e o amplo conjunto de informações disponíveis, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual, para 13,25% a.a. O Comitê entende que essa decisão reflete a incerteza ao redor de seus cenários e um balanço de riscos com variância ainda maior do que a usual para a inflação prospectiva, e é compatível com a estratégia de convergência da inflação para o redor da meta ao longo do horizonte relevante, que inclui o ano-calendário de 2023. Sem prejuízo de seu objetivo fundamental de assegurar a estabilidade de preços, essa decisão também implica suavização das flutuações do nível de atividade econômica e fomento do pleno emprego.

“O Copom considera que, diante de suas projeções e do risco de desancoragem das expectativas para prazos mais longos, é apropriado que o ciclo de aperto monetário continue avançando significativamente em território ainda mais contracionista. O Comitê enfatiza que irá perseverar em sua estratégia até que se consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas.

“Para a próxima reunião, o Comitê antevê um novo ajuste, de igual ou menor magnitude. O Comitê nota que a crescente incerteza da atual conjuntura, aliada ao estágio avançado do ciclo de ajuste e seus impactos ainda por serem observados, demanda cautela adicional em sua atuação. O Copom enfatiza que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados para assegurar a convergência da inflação para suas metas, e dependerão da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação para o horizonte relevante da política monetária.”