Débora Ventura, nova técnica do Fortaleza: competência para superar preconceitos; ouça entrevista

Treinadora será a primeira a comandar o elenco feminino do Fortaleza

Débora Ventura posa para foto na frente da sede da CBF
Legenda: A nova treinadora teve passagens pela Seleção Brasileira, onde foi auxiliar-técnica da equipe Sub-17
Foto: Divulgação/CBF

Quem quer ser técnica de futebol? Se essa pergunta for feita em uma sala de estudantes de Educação Física, muitas meninas entusiasmadas com a profissão diriam que sim, mas na realidade o espaço ainda é restrito. A falta de confiança, por consequência a falta de oportunidades, podem ser os principais obstáculos para as mulheres que desejam ocupar o comando técnico de um clube de futebol.

No Brasil a resistência para o cargo ainda persiste, em 2020 a CBF lançou a Escola de Futebol Feminino, com o curso Características do Treinamento no Futebol Feminino no Brasil, com intuito de transformar o cenário, inserindo mulheres ao cargo técnico. A iniciativa foi boa, mas os números ainda são tímidos, ainda é difícil vermos mulheres à beira do gramado, os homens ainda são 85% dos cargos de comissão técnica dos times formados por mulheres.

Ouça a entrevista completa com Débora Ventura

 

Débora Ventura chegou para mudar essas estatísticas fortalecendo as poucas que estão nesta missão e encorajar outras. A técnica assume o comando do time feminino do Fortaleza, quebrando barreiras já que será a primeira comandante da história tricolor. Uma paulista em terra alencarina, ex-estudante de Educação Física que acreditou no sonho, mesmo sabendo das dificuldades. Para superar os preconceitos, muitos esforços, um deles foi se tornar a primeira mulher a conseguir a licença PRO de Futebol do Brasil e da América Latina. 

“Como aluna e primeira mulher o que eu posso dizer, cada momento que eu vivi lá dentro, foi um intercâmbio de experiências, algo que eu fui conquistando com o tempo e onde eu tive a certeza do que eu queria ser. Uma oportunidade de fazer aquilo que eu sonhava, eu sempre fui incessante em buscar o conhecimento. Por ter sido a primeira, eu acho que é um incentivo para as outras seguirem essa carreira como técnica.” Concluiu a técnica.

O preconceito ainda segue como o principal adversário, apesar dessa resistência estar diminuindo aos poucos, a intolerância, questionamentos são alguns dos aspectos vividos. Por que tantas questões sobre a qualidade técnica de mulheres no comando de futebol? Débora acredita que ainda duvidam muito sobre a capacidade do trabalho das mulheres e quando esse trabalho é dominado pelos homens, há uma exigência no que as mulheres podem apresentar. Uma exigência com questionamentos. 


“Por fatores culturais, a gente não procurasse antes o futebol como possibilidade de emprego, hoje a gente enxerga isso. Quando você busca por conhecimento as oportunidades estão lá, apesar de poucas. As pessoas desconfiam sempre da tua capacidade, a medida que você demonstra a tua qualidade isso cai por terra. Eu acho que a gente é viciada em enfrentar esse preconceito com naturalidade.” Finaliza Débora.

O discurso é visto na prática, a CBF só conseguiu colocar uma mulher no comando da Seleção Brasileira Feminina de Futebol, a sueca Pia Sundhage, após 50 anos. A técnica chega ao segundo ano no comando ainda com muitos questionamentos.

Trabalho com as Leoas

 

A missão da técnica Débora Ventura é colocar as meninas do Fortaleza na primeira divisão do Futebol Brasileiro, as Leoas irão disputar a Série A2 do Brasileirão pelo terceiro ano consecutivo. Além da competição nacional, a equipe cearense também jogam no Estadual e com possibilidades de disputar mais uma competição a Copa do Nordeste Feminina.

“Eu estou me sentindo muito feliz aqui, o time me acolheu, me apresentou uma excelente estrutura no CT Ribamar Bezerra, eu acredito que teremos muitos retornos”. 

No ano passado, a Diretoria do Fortaleza anunciou que a previsão orçamentária para a temporada 2022, seria em torno de R$ 141 milhões e que R$ 660 mil seria para o futebol feminino.

 

CARREIRA 

 

Débora Ventura

Campeã do Sul-Americana pela Seleção Brasileira Sub-17 masculina em 2018, Débora também foi auxiliar técnica durante a disputa da Copa do Mundo da categoria. Pioneira na América Latina, Débora Ventura acumula uma trajetória de sucesso na busca por conhecimento, sendo primeira mulher a obter a Licença PRO, curso realizado por Rogério Ceni, Cuca e Guto Ferreira no início de 2022. A treinadora faz parte de um seleto grupo de técnicos que possuem a licença, mas relacionados a profissionais com trabalhos na elite do futebol masculino brasileiro.