Guto x Vojvoda: alguns trunfos táticos de Ceará e Fortaleza para o Clássico-Rei da Copa do Brasil

No jogo de ida, o Tricolor buscou mais posse de bola, enquanto o Alvinegro apostou em jogo mais reativo e com ataques diretos. Características que expõem bem as ideias dos dois treinadores

Tática Ceará e Fortaleza
Legenda: Guto e Vojvoda farão duelo tático no Castelão
Foto: Diário do Nordeste

Assim como ocorreu na primeira partida, que terminou empatada em 1 a 1, o duelo decisivo entre Ceará e Fortaleza, nesta quinta-feira (10), que define quem passa às oitavas de final da Copa do Brasil, será um verdadeiro duelo de estratégias. Guto Ferreira e Juan Pablo Vojvoda são os responsáveis por montarem o "jogo de xadrez", e cada um possui várias ideias e conceitos. Como não é possível apresentar todos, listamos alguns trunfos táticos que podem ser decisivos para superar o rival.

No Alvinegro, destacando a organização defensiva e a aposta em ataques diretos, com transições rápidas. No Tricolor, ressaltando a vocação ofensiva e capacidade criativa.

CEARÁ

Guto Ferreira, de máscara, conversando com o elenco do Ceará
Legenda: O técnico Guto Ferreira está no Ceará desde a temporada de 2020
Foto: Israel Simonton/Cearasc.com

O Ceará de Guto Ferreira tem uma identidade bem definida. Organização defensiva, boa ocupação de espaços, marcação intensa (em bloco alto por vários momentos), com muita competitividade, intensidade e aposta em transições rápidas. Não faz questão de ter mais posse de bola que o adversário, mas sim de controlar os espaços.

Para se ter sucesso, será preciso aplicar tais conceitos. No aspecto defensivo, fez bem isso no 1º Clássico-Rei.

Legenda: Ceará em organização defensiva: duas linhas de 4 jogadores bem compactas. Sistema defensivo organizado e protegendo a faixa central do campo. Dificulta articulação do Fortaleza e obriga o rival a buscar jogadas pelos lados
Foto: Premiere/Reprodução

Na roubada de bola, é preciso acionar um ataque mais direto, como foi no 2º gol contra o Grêmio. Poucos toques e uma chegada rápida ao campo do adversário em condição de finalização. Isso foi algo que o Alvinegro não conseguiu encaixar bem no jogo de ida pela Copa do Brasil.

FORTALEZA

Técnico Vojvoda orienta jogadores durante treinamento
Legenda: Vojvoda completou um mês no comando do Fortaleza
Foto: Leonardo Moreira/FortalezaEC

O Fortaleza de Juan Pablo Vojvoda busca uma proposta de maior organização ofensiva, com ataques mais posicionais e jogadas construídas em toques mais curtos, desde a defesa, se necessário rodando a bola com paciência de um lado para o outro e realizando movimentações em busca de gerar espaços na defesa adversária.

Foi assim que marcou o 5º gol na goleada sobre o Internacional, em que ficou 26 segundos com a bola e trocou 10 passes em jogada que contou com toques de 7 jogadores diferentes na bola.

Um ponto que contribui para isso e a saída de bola com três defensores. Como Benevenuto não pode atuar, a tendência é que Tinga, Titi e Bruno Melo sejam os homens do setor. Todos com capacidade de auxiliar na construção, com passes verticais que quebram linhas e acionam os jogadores de frente. Além disso, ajudam a "instalar" mais jogadores no campo de ataque e empurrar o adversário.

Fortaleza em organização ofensiva
Legenda: Fortaleza realizando a saída com três defensores e contando com Tinga e Bruno Melo tem mais volume ofensivo. Time tem mais facilidade de se instalar no campo de ataque adversário e "empurra" mais jogadores perto do gol adversário.
Foto: Premiere/Reprodução

Em resumo

Repito: são vários aspectos táticos interessantes nas duas equipes e seria impossível abordar todos. Aqui foram destacados alguns pontos principais e que deve ser bastante utilizados na partida. E, sem dúvidas, sairá de campo vencedor quem melhor souber executar sua proposta de jogo. Que vença o melhor.