Cearense Lucas Rabelo sonha com Olimpíada de 2024 em Paris após vice no mundial de skate street

O jovem do Pirambu ficou em segundo lugar na Super Crown de Jacksonville, nos Estados Unidos e sonha em disputar a Olimpíadas de Paris

O cearense Lucas Rabelo, em pista de skate
Legenda: Na última semana, Lucas conquistou a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos Júnior de Cali, na Colômbia
Foto: Júlio Tio Verde / Divulgação

Aos 22 anos, Lucas Rabelo já nutre o sonho olímpico em 2024 em Paris após sucesso do skate em Tóquio e seu vice campeonato mundial no Super Crown de Jacksonville, nos Estados Unidos. O jovem do Pirambu foi vice-campeão mundial nos Estados Unidos e na última semana, conquistou a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos Júnior de Cali, na Colômbia. 

Ainda em 2021, Lucas disputa o STU Open do Rio de Janeiro, que acontece dos dias 1º a 5 de dezembro na Praça Du Ó no Rio de Janeiro. Além dele, grandes nomes do skate mundial, como Pâmela Rosa, Rayssa Leal e Pedro Barros, estão confirmados na competição.

Relembre o vice-campeonato mundial conquistado pelo cearense

Sonho

Em entrevista ao ge, Lucas lembra com carinho a conquista do vice-campeonato mundial e o começo no Pirambu, em Fortaleza.

"Quando eu peguei o troféu, eu lembro exatamente que passou um filme na minha cabeça. Quando me deram o troféu e eu olhei assim: '2º lugar da Street League', eu comecei a rir. Nossa! Eu saí lá do Pirambu, de Fortaleza, e eu estava lá. Representando a minha pessoa, os meus amigos que têm vontade de estar lá. Eu fiz isso por mim, por todos que tinham o sonho de estar lá e pelas minhas famílias que acompanharam toda a minha trajetória. Foi um sonho demais, algo que eu nunca mais vou esquecer. E isso só me motivou mais. Foi uma felicidade absurda", disse ele.

O sucesso dele aos 22 anos é apenas um dos passos para chegar às Olimpíadas em Paris 2024, em uma modalidade que encantou o mundo em Tóquio este ano.

"O skate sempre foi olhado estranho, as pessoas não entendiam o que acontecia. E depois das Olimpíadas parece que abriu muito a mente das pessoas, que começaram a respeitar mais, começaram a admirar mais. Depois das Olimpíadas as pessoas conseguiram enxergar uma parte do que o skate é. Com certeza abriu portas, atraiu mídias, olhares, patrocinadores. É gratificante demais ver que as portas estão se abrindo e estamos sendo olhados com outros olhares. Eu quero, sem dúvida alguma, poder estar nas Olimpíadas de 2024 em Paris", projeta.

Representatividade

Hoje morando em Porto Alegre, Lucas não esquece suas raízes no Ceará e no Nordeste, querendo representar bem o Estado e a Região. Ele foi para o Rio Grande do Sul com 13 anos em busca de melhores oportunidades e venceu.

"Representar o Brasil, o Nordeste, Fortaleza, é muito gratificante para mim. Porque o Brasil tem muitos talentos, o Brasil tem muitas pessoas que andam muito. E eu quero mostrar que se eu consegui, saindo de onde eu saí, passando pelas coisas que eu passei, você consegue. (...) Eu tenho muito orgulho de ter vindo do Nordeste e nenhuma palavra que eu usar vai poder demonstrar o quão grato e orgulhoso eu sou de poder representar o Nordeste, o Brasil, o Rio Grande do Sul, que querendo ou não faz parte da minha vida também", finalizou o cearense.

 

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte

Assuntos Relacionados