Miss Brasil Trans 2019 perde o título após ser presa por dopar e furtar clientes no Rio

Natural do Mato Grosso do Sul, Mikaelly tem passagens por furto, dano e receptação

Mikaelly da Costa Martinez
Legenda: Ela foi presa na noite de domingo (28) na praia de Ipanema
Foto: Reprodução

Mikaelly da Costa Martinez, de 25 anos, perdeu o título de Miss Brasil Trans 2019 um dia após ser presa e apontada como chefe de uma quadrilha que rouba clientes durante programas sexuais. Ela foi detida na noite do domingo (28) em Ipanema, no Rio de Janeiro.

 

Em comunicado divulgado nas redes sociais nessa segunda-feira (29), a organização do Miss Brasil Trans justificou que Mikaelly perdeu o posto devido a "conduta irregular perante a lei".  "A atitule isolada dela (caso único em 27 anos) não reflete a nossa filosofia de empoderamento e visibilidade positiva", reforçou a nota. 

Com a saída de Mikaelly, a vice-campeã na edição de 2019, Priscila Portilho, assumiu o título. "Seja bem-vinda! A organização do concurso, por conta de ações negativas da primeira colocada, passou o título de 2019 para a segunda colocada".  

miss brasil transexual
Legenda: Comunicado divulgado pela organização do concurso
Foto: Reprodução

Crimes

Uma das vítimas  relatou à Polícia Civil ter conhecido a mulher transexual por volta de meia-noite de 16 de julho em um bar na Avenida Érico Veríssimo, na Barra da Tijuca.

Conforme o delegado Leandro Gontijo, titular da 16ª Delegacia Policial (DP), o homem disse que a chamou para ir embora quando estava na fila de saída. Eles entraram no carro dele e seguiram para um motel na Barrinha, onde o homem diz ter ingerido uma cerveja com algum tipo de substância. 

Ainda segundo a vítima, que lembra apenas de quando percebeu estar sem a carteira e o celular, Mikaelly chegou a dizer que chamaria na suíte uma amiga e, na sequência, apareceu com um comparsa, identificado como Alexandre Porto Furtado Júnior, que está foragido. A vítima acusou a Miss de levar os pertences dele.

Também de acordo com o depoimento do suposto cliente, a suspeita saiu correndo e entrou em um veículo por aplicativo.

Quando foi pagar a conta do motel, viu que teve três cartões de débito e crédito levados. Alguns dias depois da situação, foram feitas três transações bancárias de R$ 6 mil e uma tentativa de empréstimo de R$ 5 mil.

Em outro procedimento, a jovem é suspeita de um crime parecido. Nesse caso, foram feitas transferências financeiras por meio de Pix para a conta dos criminosos.

USA VÁRIOS NOMES

As investigações apontam que Mikaelly Martinez usa vários nomes, o que dificulta a identificação dela nos crimes. No Mato Grosso do Sul, onde nasceu, a jovem tem 17 passagens por furto, além de dano e receptação.

Em 1 de janeiro de 2015, ela foi presa em flagrante suspeita de matar com um golpe de canivete a mulher travesti Douglas dos Santos Pinheiro, conhecido como Verônica Bismark, em Coxim, a 260 quilômetros de Campo Grande. A Miss também é investigada por crimes em São Paulo e Santa Catarina.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil