Sem "Manto Sagrado"

Confira a coluna desta segunda-feira (21) do comentarista Wilton Bezerra

Atleta do Ceará busca passe em jogo da Copa do Nordeste
Legenda: O Ceará apostou em um uniforme com estilo diferente do tradicional para a Copa do Nordeste de 2022
Foto: Felipe Santos / CSC

A camisa do clube de futebol não é mais "manto sagrado".

Ele foi profanado inteiramente pelo mercantilismo.

Já não é mais respeitado pela sua tradição e originalidade.

Os gestores do futebol, na ânsia de fazer dinheiro, não tem mais escrúpulos em repaginar os uniformes.

O Ceará, no seu jogo contra o Atlético de Alagoinhas, apareceu com uma vestimenta inteiramente diferente da tradicional alvinegra.

Um absurdo visual para quem sabe do significado de uma camisa.

As camisas consolam nas derrotas e exaltam nas vitórias.

Pena que os dirigentes vendedores de camisa só enxerguem o lado comercial de uma marca.

Camisas para uso social normal em cores, ao gosto do freguês.

Descaracterizaçao completa em favor do lucro.

Irrelevante o ato de mexer com os sentimentos do torcedor, proclamam os donos do pedaço. 

Parece existir um movimento para destruir as razões do futebol.