Que futebol estão querendo?

Veja análise do comentarista Wilton Bezerra

Michael comemora gol contra o Flamengo
Legenda: Michael após marcar contra o América-MG
Foto: Marcelo Cortes/ CRF

Também, acho que o jogador tem maior importância do que o treinador num time de futebol.

Acontece que, nos primórdios das comissões de campo, foi preciso organizar a brincadeira, para que todos os jogadores não chegassem à bola ao mesmo tempo.

E, aí, entrou o papel do orientador na seleção dos melhores jogadores e na escalação de quem tinha dinâmica de jogo para cada posição.

Ao chegarmos a “era dos exageros”, o treinador, com sua influência de 20%, passou a ocupar a posição, em muitos casos, de estrela da companhia e mais importante do que o jogador.

A partir daí, não teve jeito, o treinador passou a ser o crustáceo na luta do rochedo contra o mar.

O futebol, na essência do lúdico, nos dá o prazer de jogar e ver jogar.

Quando o jogador se livra das amarras (também necessárias, até certo ponto) estabelecidas pelo treinador, dá asas à imaginação, oferecendo espetáculo. “Palmas do auditório, que ele merece”.

Só que, quando o treinador dá a liberdade para o jogador construir, eis o que diz a crônica especializada sobre o Flamengo: “A equipe de Renato não controla nada. Parece até se abastecer do caos para se impor pela superioridade técnica”.

Aí, eu pergunto: quem é que controla, no duro, alguma coisa no Mundo, ora pombas”?

E o futebol tem que ser o quê, afinal de contas?

Na hora que prende, manda soltar. Na hora que solta, manda prender.

Preso à rigidez de uma função meramente tática, certamente que Michael não faria o gol espetacular que fez contra o América Mineiro, domingo passado.

Bem ao estilo de Maradona e, no dizer dos antigos, “só pra encardir”.