Bandidos nas torcidas

Confira a coluna desta quarta-feira (2) do comentarista Wilton Bezerra

Danilo Fernandes recebe atendimento médico em hospital
Legenda: O goleiro Danilo Fernandes teve um ferimento no olho durante atentado contra o elenco do Bahia
Foto: reprodução

Não tem jeito: nenhum segmento da vida nacional está imune à presença do bandido, do malfeitor.

No futebol, essa infiltração já gerou mortes e funciona como uma espécie de aftosa.

Ausente por alguns períodos, basta que um novilho pule uma cerca, se misture, para o mal se alastrar.

É assim com a bandidagem: dá um tempo e, depois, reaparece com toda a fúria dos celerados.

Jogadores do Bahia tiveram o ônibus atingido por bombas que, por pouco, não levaram jogadores dessa para outra.

O Gre-Nal foi cancelado em Porto Alegre porque a deleção do Grêmio teve o ônibus apedrejado.

O entorno do futebol como caso de policia, por não se tratar de problema criado por quem se desloca para os estádios, com o fito de torcer.

Essa reação contra delegações de jogadores é coisa de bandido.

Gente (se é possível ser chamada assim) que, há muito tempo, já deveria ter sido alijada à pauladas.

Ora, se o próprio torcedor já carrega uma certa enfermidade (torcer é diferente) no ato de se relacionar com o seu clube, imagine o que se deve esperar do bandido.

Se me perguntarem sobre o que vai ocorrer em termos de providências, responderei: nada.

Ou quase isso: notas de repúdio, anúncio de medidas de segurança, protestos efêmeros como as espumas.

Mesmo porque, a insegurança no Brasil não é “privilégio” apenas do futebol.

Cada um por si, Deus por todos.



Assuntos Relacionados