Empresa australiana investe R$ 22 milhões em mineração de lítio no interior do Ceará

Território no município de Solonópole é rico em lítio, metal largamente utilizado pela indústria de baterias

Legenda: Exploração de lítio
Foto: Shutterstock
Página apoiada por:

A Oceana Lithium, empresa australiana de mineração, está investindo 6 milhões de dólares australianos – em torno de R$ 22 milhões – em um projeto para extração de lítio em Solonópole, no sertão central do Ceará. O montante foi levantado após IPO realizado na bolsa de valores da Austrália.

As licenças obtidas pela companhia cobrem locais históricos de mineração artesanal anteriormente extraídos de lítio, tântalo, nióbio e estanho.

Veja também

Conforme relatórios da Oceana, mais de 20 minas históricas de pequena escala foram identificadas na exploração de campo. "A mineração só foi realizada a menos de 10 metros de profundidade vertical devido a restrições de material pegmatítico duro que requer detonação", aponta a empresa.

Incidência de lítio

As pesquisas ainda apontarão se haverá viabilidade econômica para a exploração do minério. Tomás de Paula Pessoa, ex-diretor da ANM (Agência Nacional de Mineração) e membro da Comissão Nacional de Direito Minerário da OAB, afirma a esta Coluna que "a região tem uma incidência muito significativa de lítio".

O material é fundamental neste período de transição energética, cuja demanda global de baterias é crescente, em especial com a expansão da indústria de veículos elétricos.

"Um desafio da extração comercial do lítio é a separação de outros minérios associados que não interessam", explica Tomás.

Já há projetos focados em lítio no Brasil, com destaque para as operações da Sigma Lithium, em Minas Gerais.

A Oceana possui outro empreendimento de lítio na Austrália, o Napperby Lithium Project.

Riquezas minerais

"Solonópole é um município que tem uma considerável concentração de pedras, metais e minerais como argila, berilo, tantalita, ambligonita e fluorita, e chegou a ensaiar, há cerca de três ou quatro décadas, a atividade de mineração, feita de forma artesanal por pequenos grupos à época", relembra a prefeita do Município, Ana Vládia Nogueira.

Segundo ela, para um município que tem como base de sua economia a agricultura e a pecuária, a perspectiva da inserção de uma nova atividade, especialmente na área de mineração, "seria uma grande oportunidade, capaz de captar investimentos, gerar emprego, renda e, consequentemente, um maior desenvolvimento econômico e social para a população".



Assuntos Relacionados