Vitórias cearenses no Maracanã

Confira a coluna deste sábado (1)

Legenda: O Fortaleza era lanterna da Série A quando venceu o Flamengo no Maracanã em 2022
Foto: Marcelo Cortes / Flamengo

Houve um tempo em que era quase impossível um time cearense ganhar de qualquer time grande do Rio de Janeiro, quer aqui, quer no Maracanã. De certa época para cá, a coisa mudou de feição. Fortaleza e Ceará andaram aprontando poucas e boas nas barbas dos cariocas. Vitórias sobre o Flamengo, diante de um Maracanã superlotado, já aconteceram. No ano passado, por exemplo, o Leão, então lanterna da Série A nacional, emudeceu a massa rubro-negra. Fez silenciar 63 mil torcedores. Ganhou (1 x 2), com gols de Robson e Hércules. Então, tudo é possível no jogo de logo mais. 

Mesmo assim, há que se reconhecer o Flamengo como favorito. Lógico. Tem jogadores de alta qualidade como Everton Ribeiro, Gerson, Pedro, Gabriel, Arrascaeta, Bruno Henrique e o cearense Everton Cebolinha. Mas favoritismo não é sinônimo de vitória: é um indicativo de certas vantagens. O Flamengo no Maracanã sempre terá um fator positivo a mais: a sua imensa torcida, que faz a diferença. Importante é que o Fortaleza retomou o ritmo de suas melhores apresentações, como restou provado nas vitórias sobre o Cruzeiro, o Atlético-MG e o Palestino. Portanto, o Leão pode, sim, mais uma vez surpreender o Flamengo em pleno Maracanã.  

 

Diversificação 

 

É importante observar como o técnico do Fortaleza, Juan Pablo Vojvoda, consegue alterar o modelo tático tricolor. Certamente essa qualidade lhe permite retomadas que nem todos os treinadores conseguem. Não é a primeira vez que o time cai de produção. Dá a impressão de que perdeu o norte, mas se recupera a tempo.  

 

Ainda não 

 

Há jogadores que deixam uma marca mais forte. E, quando são transferidos, abrem uma lacuna. Preencher essa lacuna pode demandar muito tempo. É o caso de Moisés. Pelo seu desempenho na ocasião, tornou-se imprescindível. Ainda não apareceu o nome ideal para substituí-lo à altura. Missão para Vojvoda. Já, já, ele encontra a forma de neutralizar a saída de Moisés.   

 

Estreia 

 

O Ceará novamente de técnico novo. Queira Deus que o treinador Guto Ferreira alcance o mesmo êxito que alcançou quando da passagem que culminou com a conquista do título de campeão da Copa do Nordeste. Mas uma coisa é notória: a qualidade do elenco de hoje, numa análise comparativa, é inferior ao time que Guto dirigiu na sua passagem anterior.  

 

Heureca 

 

Praticamente tendo comandado um treino só, poderá o técnico Guto mudar para melhor a produção alvinegra? Pela lógica, não. Mas o futebol é repleto de mistérios. Às vezes, uma pequena alteração vira heureca. E o time descobre caminhos que estavam embotando a sua produção. Acontece no futebol, embora não muito frequente. 

 

Contraste 

 

O Ceará tem obtido resultados que deixam confusos até os mais experientes cronistas esportivos. O mesmo time, que diversas vezes complicou em casa, é o que obteve importantes vitórias fora de casa. Uma inversão que foge à natureza das coisas. O mais comum é o contrário. Agora é esperar o que Guto vai fazer. Há técnicos que conseguem tirar leite de pedra.