dataLayer = [{ 'Assinante': 'Não' }];

Não haverá lágrima que segure

O técnico do Fortaleza, Rogério Ceni, conhece

Palmo a palmo o cenário do jogo de hoje. Ali foi a sua casa durante mais de vinte anos. Lá as suas maiores glórias. Mas, agora, ele está do lado de cá. O Fortaleza em busca da reabilitação. O São Paulo em busca da reabilitação. O técnico Fernando Diniz a perigo. Após a derrota e eliminação diante do Mirassol, Fernando ainda se segurou, máxime por solidariedade dos jogadores do elenco. Mas um tropeço do São Paulo hoje representará certamente sua demissão. E aí não haverá lágrima de jogador que o mantenha no cargo. Os dois times estão sob pressão. Muita gente pensa que a ausência da torcida nos estádios vazios deixa à vontade os atletas. Aparentemente, sim. Mas a cobrança psicológica, invisível e perigosa, é tão forte ou pior do que a materializada nas praças esportivas lotadas. Ela é amorfa, não senta nas cadeiras nem paga ingresso. Ninguém a vê nem percebe sua presença. Mas ela fica impregnada na mente de cada jogador. Situação válida para os dois competidores de hoje no Morumbi.

Jogo aéreo

O São Paulo tem jogadas aéreas bem ensaiadas. Pablo cabeceia muito bem. O sistema defensivo do Fortaleza deve ficar mais atento. Na bola em que Tinga falhou, permitindo um dos gols do Athletico-PR, todas as críticas foram feitas somente ao ala, mas, a rigor, a bola passou pela área livremente. Portanto, falha coletiva.

Forma de jogar

Ouvi várias observações de especialistas, considerando que a queda de produção do Fortaleza deve-se ao fato de os adversários terem estudado bem a forma de atuar do Leão. Não penso assim. Ora, todos estudam os adversários. Não há mais segredos nem mistérios. Considero que no Fortaleza há sinais de fadiga. Aí, sim. Isso acontece com todos os clubes.

Recomposição

Não é a primeira vez que o Fortaleza tem queda de produção sob o comando de Rogério Ceni. Esse filme foi exibido já algumas vezes no Pici. Com a mudança de atores, Rogério conseguiu diversas vezes recompor a formação, retomando a produção ideal. Não sei se desta vez ele obterá êxito. Tudo vai depender, creio, da qualidade dos novos contratados.

Estou otimista com o Ferroviário, embora

Sabedor das dificuldades de ganhar dos times de Belém no Mangueirão. É que o técnico Marcelo Vilar tem algo assim de especial quando assume o comando do Ferrão. Tudo passa

A dar certo.

No futebol há coisas que se encaixam dentro de uma afinidade sem explicação. É o caso, por exemplo, de Flávio Araújo com o Icasa ou do Lisca Doido quando o Ceará está em crise. A afinidade de Marcelo Vilar com o Ferrão também é incrível.