Lauana Prado revela ataque por andar de mãos dadas com namorada em rua do Rio de Janeiro

Casal foi surpreendido com arremesso de pedras

Cantora chegou a comentar assunto em redes sociais
Legenda: Cantora chegou a comentar assunto em redes sociais
Foto: Reprodução/INstagram

A cantora Lauana Prado deu detalhes exclusivos à coluna sobre o ataque que sofreu com a namorada ao caminhar em via pública de mãos dadas no Rio de Janeiro (RJ). Na terça-feira (18), após despachar malas no Aeroporto Santos Dumont, ela e a influenciadora Verônica Schulz foram surpreendidas por arremessos de pedras.

Nenhuma das duas foi atingida pelas pedras. A cantora sertaneja disse que no momento do ocorrido havia algumas pessoas transitando na via. "Eu só queria saber de correr. A Verônica, muito curiosa, queria saber ainda. Voltamos para ver o que tinha ocorrido e entendemos que foi uma pessoa que jogou as pedras". 

Lauana Prado descreveu as pedras como as do tipo portuguesa, típicas das calçadas do Rio de Janeiro. Segundo a cantora, uma loja teve vidraças trincadas.

Ficamos horrorizadas. De qualquer forma deixou a gente em situação de alerta. A pressão aumentou. Não consegui tomar café na hora. Foi muito assustador. Nós transitamos por todos os lugares. Nunca passamos por situação como essa
Lauana Prado
Cantora

Solicitação de imagens de câmeras da região

Ainda não foi identificado o autor ou autores do arremesso de pedras. A cantora sertaneja declarou que busca imagens de câmeras da região e que pretende abrir um Boletim de Ocorrência (B.O) para apuração dos fatos. 

Por fim, a cantora deixou mensagem para que as pessoas não deixem de viver com quem se ama por medo de pessoas preconceituosas.  

"Esse tipo de fala é que mais me causa incomodação: 'é só não andar de mãos dadas'. A gente precisa acabar com isso. As pessoas precisam acabar com o medo disso. E as pessoas com preconceito, se não quiserem conviver com isso, não saiam de casa. Não temos que viver em situação de alerta o tempo todo. Não por isso vamos deixar de viver nossas vidas. Temos que combater esse pensamento", ressaltou Lauana Prado.