Para o presidente da Fiec, a solidariedade muda o mundo

Ricardo Cavalcante transmite, pelas redes sociais, uma "Carta aos Industriais", dizendo que 2021 não teve dias fáceis, mas tem final feliz.

Legenda: Ricardo Cavalcante (foto), presidente da Fiec, na solenidade em que tomou posse da Associação Nordeste Forte
Foto: José Sobrinho/Fiec/Divulgação

Em “Carta aos Industriais”, o presidente da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), Ricardo Cavalcante, agradece o apoio recebido pelos seus pares durante este 2021 e afirma que o ano que está findando não teve dias fáceis, mas o balanço final deixa marcas concretas de que, “quando nos solidarizamos uns com os outros (...), somos capazes de mudar o mundo”.

Na carta, divulgada nas redes sociais da Fiec, Ricardo Cavalcante faz um balanço do que foi realizado nos últimos dois anos. Ele escreve: 

“No âmbito interno à Federação, conseguimos consolidar o processo de transformação digital de todas as nossas casas; unificamos a gestão do Sesi e do Senai, de modo a dar mais agilidade e eficácia ao atendimento das demandas da indústria; fortalecemos as competências do IEL, o que lhe permitiu inovar na oferta de serviços de qualificação em gestão empresarial; ampliamos a atuação do CIN, como forma de promover a internacionalização das indústrias cearenses; instituímos o Núcleo ESG, voltado para disseminar as melhores práticas de gestão ambiental, social e de governança; enfim, transformamos o Sistema FIEC em um provedor de soluções que nos permitisse fazer entregas ainda mais efetivas, capazes de beneficiar tanto as nossas indústrias quanto outras instituições representativas, os poderes públicos e a sociedade.
 
“O Observatório da Indústria da FIEC ganhou reconhecimento nacional e até internacional. Com suas ferramentas de inteligência artificial possibilitou tomadas de decisões estratégicas por parte de indústrias dos mais diferentes portes, inclusive startups; e instituições públicas municipais, estaduais e federais, a exemplo do Ministério da Economia, que nos confiou o trabalho de construção do Centro de Inteligência do Custo Brasil. 

“De forma inédita, firmamos o primeiro Convênio de Cooperação Técnica e Financeira entre a FIEC e o Sebrae Nacional, que irá garantir investimentos superiores a R$ 15 milhões para a realização de 17 projetos que ampliarão ainda mais as possibilidades de fortalecimento das indústrias cearenses, através dos nossos 40 sindicatos, nas áreas de inovação e tecnologia, qualificação profissional e economia do mar, entre outras ações que se estenderão pelos próximos dois anos.
 
“Em parceria com a ENEL, inauguramos o Centro de Treinamento Avançado do Senai na Barra do Ceará, que irá auxiliará na capacitação de eletricistas da distribuidora e de empresas parceiras, além da formação de novos profissionais.; Por meio do Centro de Inovação em Economia para Saúde e Segurança do SESI, lançamos o Observatório Analítico de Acidentes do Trabalho, que permite gerar um panorama das ocorrências de acidentes de trabalho no Brasil, e com isso dar um direcionamento a ações preventivas e corretivas. 

“O CIN firmou convênio com a Apex-Brasil para execução do PEIEX (Programa de Qualifi cação para Exportação), com meta de incluir 100 indústrias cearenses no mercado internacional. 

“Atentos ao processo transição energética para uma economia de baixo carbono em curso no mundo inteiro, nos envolvemos diretamente na implantação do Hub de Hidrogênio Verde no Ceará. Fomos protagonistas de cada passo dado tanto pela indústria quanto pelo governo estadual e federal. Estivemos presentes na COP 26, em Glasgow, na Escócia, a convite do Ministério do Meio Ambiente; Fomos a Dubai, nos Emirados Árabes, onde fortalecemos a nossa presença no cenário mundial de energias renováveis; Realizamos na Casa da Indústria o Fórum Internacional de Hidrogênio Verde, com a presença de autoridades e estudiosos de diferentes lugares do mundo; Acolhemos entre nós a diretoria da ANEEL, que assinou aqui na FIEC a norma regulamentadora do sistema de energia híbrido, uma reivindicação de mais de 8 anos do setor no país; 
“Também foi aqui, entre nós, que o Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, se comprometeu a liberar a instalação dos parques eólicos e solares offshore. 

“Enfim, foram tantas as conquistas e realizações que nasceram da força da nossa união, que eu não poderia deixar findar este ano, sem lhes dizer da minha gratidão por terem estado ao meu lado em todos os momentos. Como bem diz um pensador italiano, ‘somos todos anjos com uma asa só; e só podemos voar quando abraçados uns aos outros’. Obrigado a todos e que tenhamos um novo ano rico de oportunidades e realizações!”