Fiec Summit: Pecem trocará gás natural por amônia no Píer 2

Para atender à demanda do futuro Hub do Hidrogênio Verde, a diretoria do Complexo do Pecém já tomou essa decisão estratégica, apoiada pelo sseu sócio Porto de Roterdã.

Legenda: Monica Swanson, diretora do Porto de Roterdã, falou na Fiec Summit sobre os planos para o Hidrogênio Verde
Foto: Marília Camelo / Gecom / Fiec

Por causa do futuro Hub do Hidrogênio Verde, o Porto do Pecém será novamente ampliado e, também, reordenado. Por exemplo: o seu píer número dois, que ainda realiza operações de gás natural, será destinado, exclusivamente, ao escoamento da produção de amônia para os mercados nacional e internacional. 

Esta informação foi transmitida ontem pela diretora Comercial do Complexo do Pecém, Duna Uribe, que respondeu a uma pergunta deste colunista – dirigida à diretora do Programa Internacional de Hidrogênio do Porto de Roterdã, Monica Swanson, que acabara de falar sobre como é Trabalhar na Velocidade do H2V”.

A palestra de Swanson integrou a programação do Fiec Summit, evento promovido pela Federação das Indústrias do Ceará, que, iniciado ontem, será concluído na noite desta quinta-feira, na Casa da Indústria.

De acordo com Duna Urbe, a nova expansão do Porto do Pecém é uma decisão estratégica da empresa, da qual o Porto de Roterdã - que a aprovou - é sócio com 30% do seu capital. Ela reiterou o que dissera na véspera: 

“Pecém está preparado para receber e garantir todas as operações necessárias ao escoamento da produção das empresas que produzirão Hidrogênio Verde e amônia no Hub que ali será instalado”.

Antes de Duna Uribe dar rápida resposta à indagação este colunista, a holandesa Monica Swanson revelou que toda a comunidade portuária de Roterdã, o maior e mais importante porto da Europa – está mobilizada para acelerar a execução dos vários projetos que o transformarão na porta de entrada europeia de todo o H2V produzido no mundo, inclusive no Ceará.

Ela disse que, até 2030, as indústrias do Porto de Roterdã, com 45 quilômetros de extensão e em cuja área operam 3 mil empresas, estarão a produzir cerca de 2 milhões de toneladas de Hidrogênio Verde. 

Nesse mesmo 2030, o porto holandês movimentará 4,6 milhões de toneladas do H2V, para o que já está construindo um gasoduto que o ligará toda a Holanda e a todo o continente europeu, incluindo a Alemanha. 

Outra pergunta do auditório foi dirigida a Swanson; qual a expectativa de produção do H2V no Hub do Pecém?

A diretora do Porto de Roterdã respondeu nos seguintes termos:

“Posso falar apenas pelo Porto do Pecém. Esperamos que chegue de 8 milhões de toneladas/ano a 11milhões de toneladas/ano de Hidrogênio Verde até 2032, e a 7 milhões de toneladas/ano de amônia”.

Monica Swanson revelou que visitou, quarta-feira, o Porto do Pecém e ficou satisfeita com o que viu: “Um porto bem cuidado, muito bom, muito limpo, onde tudo está acontecendo”.

INCIDENTE na FIEC SUMMIT

Duas mulheres, integrantes de um movimento de cmunidades localizadas ao longo do litoral Norte do Ceará invadiram na manhã esta quinta-feira os dois auditórios da Fiec, onde se realizam palestras palestra sobre o Hidrogênio Verde, e abriram uma faixa, na qual protestavam contra projetos de geração de energia eólica onshore e offshore.

Os que estavam nos audtóorios surpreenderam-se, mas em seguida foi permita a abertura da faixa. As duas mulhere driblaram a vigilância do Fiec Summit e entraram, sem problemas, no edifício da Casa da Indústria, e alcançaram os dois auditórios localizados no andar térreo, onde fizeram o seu protesto.

Alguns minutos depois, deixaram o prédio da Fiec.