Evangelho de hoje 11/01 (Mac 1,21b-28)

Jesus vem nos tirar das garras dos espíritos maus que teimam em desafiar os homens, mas não podem com Deus

Legenda: Em Nome de Jesus, nós também poderemos expulsar o mal e calar a boca dos impertinentes.
Foto: Divulgação

Estando com seus discípulos em Cafarnaum, Jesus, num dia de sábado, entrou na sinagoga e começou a ensinar. Todos ficavam admirados com o seu ensinamento, pois ensinava como quem tem autoridade, não como os mestres da Lei. Estava então na sinagoga um homem possuído por um espírito mau. Ele gritou: 'Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus.' Jesus o intimou: 'Cala-te e sai dele!' Então o espírito mau sacudiu o homem com violência, deu um grande grito e saiu. E todos ficaram muito espantados e perguntavam uns aos outros: 'O que é isto? Um ensinamento novo dado com autoridade: Ele manda até nos espíritos maus, e eles obedecem!' E a fama de Jesus logo se espalhou por toda a parte, em toda a região da Galiléia.

Reflexão - “Dentro da Sinagoga”

“Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus”. Jesus não era benquisto no meio dos judeus, por isso, seria muito natural que alguém fizesse aquela interrogação sem despertar atenção, como aquele homem que O insultava e desafiava a tomar uma atitude. Ninguém percebia, no entanto, Jesus, cheio do Espírito Santo, distinguiu perfeitamente que ele estava “possuído por um espírito mau” e, penetrando no seu pensamento deu a todos um esninamento novo, cheio de autoridade, despertando, assim o espanto dos judeus que não conheciam isso. Ele soube perceber a origem do questionamento daquele homem e assim livrá-lo do domínio do satanas. Apesar de os judeus não O reconhecerem, Jesus dava provas de que era o Messias, o Enviado de Deus para libertar os cativos. Assim sendo, Ele procurava as pessoas que eram prisioneiras e estavam sob o domínio dos espíritos maus e tinha autoridade porque não se deixava acovardar consciente do poder que Deus lhe concedera e da missão que lhe havia sido entregue. Até os demônios O temiam, pois sabiam que Ele era o Santo de Deus. Isso despertava a admiração do povo que frequentava a sinagoga. Hoje também, até mesmo dentro da Igreja, nos locais de reunião de oração existe alguém que, influenciado pelo inimigo, tenta desvirtuar o trabalho de edificação do reino. Jesus sabe muito bem isso, porque conhece o profundo do nosso ser. Por isso, Ele vem nos tirar das garras dos espíritos maus que teimam em desafiar os homens, mas não podem com Deus. As obras que Jesus realizava naquele tempo, também hoje Ele as realiza, e para isto, nós somos seus instrumentos. Em Nome de Jesus, nós também poderemos expulsar o mal e calar a boca dos impertinentes. Mas, precisamos refletir: se Jesus veio nos restituir a dignidade de filhos de Deus, irmãos Dele; se Ele nos deu o Seu Espírito Santo que tem poder de fazer e desfazer; por que então também não usamos da autoridade que Ele nos dá para realizar milagres e prodígios? Para que os ensinamentos que nós damos a alguém tenham credibilidade devem ser acompanhados da nossa ação e do nosso testemunho fiel ao que pregamos. Resta-nos, então, perceber que Jesus tinha autoridade porque não só ensinava, mas agia. A nossa autoridade vem do nosso testemunho, da nossa firmeza e convicção. – Qual a diferença entre falar e agir? – Você é uma pessoa que tem autoridade ao falar? – As pessoas lhe dão crédito? – Você tem agido da mesma forma como ensina aos outros a agir? - Quais as obras que Jesus tem realizado em você e na sua família? - Você também espalha a fama de Jesus contando as coisas boas que Ele já lhe fez?

Helena Colares Serpa – Comunidade Católica Missionária UM NOVO CAMINHO