Chegam da China 619 mil placas solares para usina de Caucaia

A usina está sendo implantada em uma área de 528 hectares dos 726 hectares da Fazenda Lavras, em Sítios Novos. E mais: 1) Projeto S. Francisco: um alerta; 2)Um scooter genuinamente cearense; 3) Parou a duplicação do IV Anel Viário

Legenda: Mais de 600 mil painéis solares, como os da foto acima, serão usados na usina solar de Sítios Novos
Foto: Divulgação

Atracará nesta semana no Porto do Pecém um navio procedente da China carregado com 231 contêineres, de 40 pés cada um, com milhares de placas para a geração de energia solar fotovoltaica.

Esse carregamento destina-se à construção da usina solar fotovoltaica de Sítios Novos, em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza. 

Quem faz a importação é a Lavras 6 Energias Renováveis S.A, controlada da Canadian Solar do Brasil, subsidiária da Canadian Solar. A Lavras 6 é que constrói o novo parque solar fotovoltaico do Ceará.

A usina está sendo implantada em uma área de 528 hectares dos 726 hectares da Fazenda Lavras. 

Para a geração de energia solar, serão instalados os 619.710 módulos fotovoltaicos que estão chegando da China, os quais, em plena operação, terão uma potência nominal total de 196,04 megawatts e potência instalada total de 219,99 megawatts.

A logística do transporte rodoviário no Pecém será feita pelo Grupo Martins, com a participação da cearense Brok Logística, do empresário Edson Brok. 

Está previsto o transporte de 56 contêineres por semana.

PROJETO S. FRANCISCO: UMA ADVERTÊNCIA DE ENGENHEIRO

Diante da notícia desta coluna segundo a qual o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) mantém suspenso o bombeamento das águas do São Francisco para o ramal cearense do Canal Norte, o engenheiro José Carlos Braga, especialista em energias renováveis e sócio e diretor da Uruquê – uma nascente empresa cearense do setor de geração de energia solar fotovoltaica – insiste no seu discurso:

“Como acontece em outras transposições no mundo, como a do rio Colorado (EUA) e a do Canal de Provence (França) e outras com grande volume d’água, a do Rio São Francisco deve independer do mandatário político de plantão”. 

A Região Metropolitana de Fortaleza – se o bombeamento não for retomado nesta semana – correrá o risco de ficar sem água no segundo trimestre deste ano. Ela necessitará, nos próximos 90 dias, de 100 milhões de metros cúbicos de água, volume que só será possível com a volta do bombeamento das águas do Projeto S. Francisco para o ramal cearense do seu Canal Norte.
  
Na opinião de José Carlos Braga, “a sociedade do Nordeste Setentrional precisa de exigir a efetivação de um corte umbilical peremptório e definitivo nos desígnios da gestão desse equipamento (o Projeto São Francisco de Integração de Bacias) tão importante para a nossa região”.

José Carlos Braga, falando do alto da experiência de ex-integrante do corpo técnico do antigo Ministério da Integração Nacional, antecessor do MDR, sugere:

“O ideal e mais correto, ou seja, o mínimo exigível, será um certame do tipo PMI/PPP (instrumento que permite à iniciativa privada a elaboração de estudos técnicos e de viabilidade econômica para os projetos de PPP (Parceria Público Privada) desencalhará essa âncora ideológica do Projeto S. Francisco, livrando o Poder Público de subsídios e transferindo ônus e bônus à livre iniciativa, com regulação pré-estabelecida pela ANA (Agência Nacional de Águas) para provisionamento de água aos estados, ampliação da capacidade de escoamento de maneira equilibrada entre os entes federados e O&M constante e perene”.

Braga retoma o fôlego e prossegue expondo sua opinião:

“O ‘elefante branco’ – por mim previsto há anos (em que se poderá transformar o Projeto São Francisco) começa a estabelecer-se, em contraposição a um modelo do tipo Projeto Mandacaru (elaborado por ele), já apresentado ao governo, que o engavetou provavelmente por motivos escusos – continua sendo prova viva de todo o fisiologismo e descaso republicanos que frequentam os altos gabinetes”, afirma o engenheiro.

DUAS NOTÍCIAS: UMA BOA, OUTRA MÁ

Boa notícia! O conselho do Fundo de Desenvolvimento Industrial (FDI) do Governo do Ceará aprovou o pedido de concessão de incentivos fiscais da Aeris, que construirá sua terceira fábrica de pás eólicas em seu complexo industrial do Pecém. 

A Aeris terá direito a um diferimento de até 75% do ICMS, segundo informa uma fonte da Secretaria do Desenvolvimento Econômico do Governo do Ceará.
 
Agora, uma má notícia! Esta coluna cumpre o doloroso dever de informar que estão paralisadas, de novo, as obras de duplicação do IV Anel Viário de Fortaleza. 

Motivo: a empreiteira que executava o serviço entrou em crise financeira. Foi a terceira empresa que, pelo mesmo motivo, paralisou a obra, que é do Dnit, ou seja do Governo Federal, que a repassou para o Governo do Estado.

Esta coluna reconhece: a culpa é da Lei da Concorrência Pública, que impõe a condição do menor preço para as obras públicas, sem levar em conta a condição financeira das empreiteiras. 
 
MAIS LOJAS NOS SHOPPINGS RIOMAR

Em dezembro passado, quase 20 novas marcas aderiram ao canal de vendas digitais dos shoppings RioMar Fortaleza e RioMar Kennedy.

Entre essas lojas, estão Apiguana, Klaris, Up Phone e Produção, do RioMar Fortaleza, e Arte e Presente Floricultura, do RioMar Kennedy.

INSTITUTO LUIZ GIRÃO PUBLICA BALANÇO

Braço social da Betânia Lácteos, o Instituto Luiz Girão, braço social da Betânia Lácteos, encerrou 2021 com excelentes resultados. 

Ele atuou como intermediário em financiamentos para os produtores em algumas frentes, entre elas a aquisição de novilhas para manutenção dos rebanhos e aumento da produção. No ano passado, foram 16 produtores auxiliados na compra de 122 animais, o equivalente a R$ 976 mil financiados.
 
O Instituto Luis Girão também atuou como correspondente bancário das instituições financeiras Sicredi e Banco do Brasil, facilitando o acesso dos produtores de leite a crédito para capital de giro, com prazo maior de pagamento, conectando os produtores de leite do Nordeste às instituições financeiras de maneira mais simples e rápida. Em 2001, essa parceria com os bancos levantou R$ 2,7 milhões em recursos para os pequenos produtores de leite.
 
Por sua vez, o  Projeto Multidisciplinar Nordeste Leiteiro beneficiou 15 fazendas com assistência técnica especializada do Mestre Leiteiro, acompanhando mais de 1,7 mil cabeças de gado que produziram mais de 10 mil litros de leite diariamente durante o acompanhamento da iniciativa, garantindo melhor desempenho das fazendas.

MULHERES NA ECONOMIA

Duas mulheres comandarão o Conselho Regional de Economia do Ceará (Corecon-CE).

Silvana Parente e Desirée Mota foram eleitas, respectivamente, presidente e vice-presidente da entidade.

CEARENSE PRODUZ SCOOTER

Está perto de chegar ao mercado o Scooter Elétrico Gram-Eollic, empresa do engenheiro cearense Fernando Ximenes, que atua na área de energias renováveis. 

Seu scooter, que mais parece um patim elétrico, tem 4 horas de autonomia e chegará com três velocidade: 0 a 8 Km/h;  9 a 14 km/h; e 15 a 23 km/h. Velocidade máxima 23 km/h.
 
Outros detalhes: a potência de carga do scooter da Gramm Eollic é de 135 kg; sua tração é dianteira. Ele mede 1,25m x 0,20m. Seu guidão tem altura de 1,10 m. Equipado com farol led e display digital. Tem freio instantâneo e punho macio. 
É recarregável em qualquer tomada de 220 volts.

Seu inventor e construtor garante: “Poderá trafegar em qualquer avenida desafogando o trânsito, como também em shoppings para agilizar compras”.

O desafio será transformar esse scooter em um produto interessante para a indústria, sem o que ele não ganhará escala. .