Alô, alô, Ceará! Olho no Grupo Galp, de Portugal

Considerada a Petrobras portuguesa, a Galp quer liderar a produção do Hidrogênio Verde na Europa. Maia Júnior já conversou com os portugueses sobre o Hub do H2V no Pecém

Legenda: O secretário do Desenvolvimento Econômico, Maia Júnior, já conversou com ogrupo português Galp sobre o Hub do H2V no Pecém
Foto: Diário do Nordeste / Fabiane de Paula

Dona da Petrogal e da Gás de Portugal, a Galp – que é a Petrobrás portuguesa – decidiu transformar seu complexo industrial de refino, localizado em Sines, no litoral Sul do país, num centro produtor de Hidrogênio Verde. 

A Galp -- que tem grandes investimentos no Brasil nas áreas de petróleo, gás e energias renoáveis -- foi procurada, recentemente, pela Secretaria do Desenvolvimento Econômico do Governo do Ceará, com cujos diretores o secretário Maia Júnior conversou sobre o Hub do H2V do Pecém. Os portugueses “ficaram de vir ao Ceará”, informa  Maia Junior.
 
O CEO da Galp, Andy Brown, disse ao “Jornal de Negócios”, de Lisboa, que sua empresa pretende ser líder do Hidrogênio Verde na Europa, para o que já vem dando passos decisivos, o primeiro dos quais, em desenvolvimento, é a construção de um eletrolisador (que quebra a molécula da água em oxigênio e hidrogênio) de 2 MW, ao mesmo tempo em que se prepara para desenvolver um eletroliador com capacidade de 100 MW, ou seja, 80% mais potente do que o de maior potência existente hoje na Europa.

A Galp, com outras parcerias, segundo Brown, avalia a possibilidade de produzir combustíveis sintéticos (e-fuel) para navios e aviões além de baterias de lítio para carros elétricos.

“Nossa meta é chegar a 2030, produzindo 1 GW”, disse o CEO da Galp.