Dinheiro de férias: como administrar?

Imagem mostra carteira de trabalho com notas e moedas de real, e calculadora
Legenda: Todo trabalhador com registro em carteira tem direito a férias remuneradas de acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT)
Foto: Shutterstock

Inspirada na minha amiga Daniella de Lavôr, por estar de férias, decidi escrever sobre o que precisamos entender, de uma vez por todas, sobre o dinheiro que recebo da empresa ao tirar de férias. É uma dúvida comum, pois muitos não entendem porque parecem estar “ricos” nas férias e depois estão “pobres” na volta ao trabalho. Muitas pessoas, ao entrar de férias, acreditam que o valor que recebem da empresa é “um valor a mais” e, nem imaginam que não receberão nada após voltar ao trabalho. Tá certo isso?

Todo trabalhador com registro em carteira tem direito a férias remuneradas de acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). No entanto, quando chegar a época das férias, podem surgir algumas dúvidas e até surpresas em relação ao valor do salário na volta ao trabalho.

Veja também

Por isso, vou explicar detalhadamente sobre este dinheiro. Vamos lá.

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) prevê que, para ter direito ao benefício de férias remuneradas de 30 dias corridos, o funcionário deve ter completado pelo menos 12 meses de serviço e ter menos de cinco faltas injustificadas nesse período. No entanto, o número total de dias de férias diminui proporcionalmente ao número de faltas sem justificativa acima de cinco. Por exemplo, aqueles que faltaram de 6 a 14 dias terão direito a apenas 24 dias de férias.

O artigo 7º da CLT garante que o funcionário tenha o direito de tirar um período de descanso a cada 12 meses de vigência do contrato de trabalho. Durante as férias, o empregado deve receber um adicional de um terço do salário pelo qual foi contratado. Além disso, o período de descanso pode ser dividido em até três partes, com a condição de que um dos períodos não seja inferior a 14 dias consecutivos. Essa opção de divisão das férias foi autorizada pela Reforma Trabalhista, que flexibilizou as regras anteriores que permitiam a divisão apenas em casos excepcionais.

Quando você for entrar de férias, a empresa deve pagar, de forma antecipada, seu mês de férias, além de pagar, também, um adicional extra chamado de “Terço Constitucional de Férias”.

COMO CALCULAR QUANTO VOU RECEBER?

A empresa deve levar em consideração o salário bruto do trabalhador e o período em que ele estará ausente. O salário do funcionário é

dividido por 30, resultando no valor do dia de trabalho do funcionário. Esse valor é então multiplicado pelo número de dias em que o funcionário estará ausente. O valor dos dias de férias é dividido por três para calcular o Terço Constitucional de Férias.

Por exemplo:

  • Se uma pessoa recebe um salário de R$ 3.000 por mês
  • Vai tirar 20 dias de férias em 1º de novembro de 2023
  • Primeiro calcula-se o valor do dia de trabalho: R$ 3000 / 30 = R$ 100.
  • O valor dos dias de férias (20, neste exemplo) pagos antecipadamente ao trabalhador: R$ 100 x 20 = R$ 2.000.
  • O valor do Terço Constitucional de Férias: R$ 2.000 / 3 = R$ 666,67.
  • Ou seja, antes de sair de férias, o trabalhador vai receber R$ 2.666,67.
  • Quando voltar de férias, em vez do salário de R$ 3.000, o empregado vai receber apenas R$ 1.000, referentes aos 10 dias trabalhados naquele mês.

Caso o período de férias seja de 30 dias, o trabalhador receberá seu salário destes 30 dias que não trabalhará antecipadamente, e, quando retornar ao trabalho, deverá trabalhar um mês inteiro para receber o salário seguinte. E este é o grande gargalo do trabalhador.

Portanto, algumas medidas, ainda de férias, você deve ter:

  1. Entender que de recurso extra de férias, na verdade, é apenas o valor de 1/3 do seu salário, o restante é o valor do seu salário adiantado;
  2. Ainda que a tentação de férias seja grande, mantenha o controle sobre suas finanças e busque gastar dentro da sua realidade. Importante, portanto, ter planejado suas férias com antecedência. Se for viajar, importante já ter comprado parceladamente a viagem, por exemplo.
  3. Curta com moderação, busque passeios com baixos custos, mas extremamente interessantes, como praia, cultura, parques, etc.
  4. Prepare-se para o retorno de férias, pois só receberá seu próximo salário no mês seguinte.

Economizar nas suas férias, caso você precise, não significa não se divertir. Seja consciente, planeje, tenha disciplina e continue a trilhar seu lindo aprendizado na Educação Financeira. Estou aqui para ajudar.

Pensem nisso! Até a próxima.

Ana Alves
@anima.consult
emaildaanaalves@yahoo.com.br
Economista, Consultora, Professora e Palestrante

*Este texto reflete, exclusivamente, a opinião da autora.