Ideias: Cirurgia robótica

Esta semana, o 1º Congresso Médico Unimed terá uma sessão voltada para discutir os benefícios da cirurgia robótica e as principais técnicas utilizadas. O assunto está relacionado à evolução da medicina, mais acentuada nas últimas décadas. A aquisição de conhecimentos e os avanços tecnológicos em outras áreas e utilizadas na medicina foram os responsáveis por esse progresso. Estudos científicos comprovam que a cirurgia robótica é caracterizada por ser minimamente invasiva, isto é, causar menor agressão cirúrgica ao paciente. Ela é realizada por pequenos orifícios no abdômen e o cirurgião controla quatro braços robóticos, entre eles uma câmera 3D de alta definição, o que propicia menos sangramento e transfusões de sangue; diminuição da dor pós-operatória e menor tempo de internamento.

A precisão dos gestos cirúrgicos e a visão tridimensional está relacionada, no tratamento do câncer de próstata, a excelentes resultados oncológicos. A técnica também auxilia na recuperação da continência urinária e da função erétil, pois facilita a preservação de estruturas como nervos e músculos responsáveis por essas funções.

Hoje, há 30 unidades cirúrgicas robóticas no Brasil. No Ceará, o primeiro robô cirurgião foi instalado com pioneirismo no Norte, Nordeste e Centro-Oeste do País, em agosto de 2015, no Hospital Monte Klinikum. Desde então, em nosso Estado, 200 pacientes foram beneficiados com essa tecnologia nas áreas de urologia, proctologia, cirurgia geral e bariátrica. Os cirurgiões que utilizam o robô passaram por um extenso programa de treinamento, que envolveu centros no Brasil e exterior.

Marcos Flávio Rocha - Cirurgião Urologista