Morre voluntário brasileiro que participava de testes da vacina de Oxford contra a Covid-19

A Anvisa não informou se ele tomou a dose da vacina ou placebo

Legenda: Voluntário João Pedro Feitosa, que participava de testes da vacina de Oxford contra a Covid-19, morre nesta quarta-feira (21)
Foto: Foto: Reprodução

voluntário brasileiro João Pedro Feitosa, que fazia parte dos testes de eficácia da vacina de Oxford contra a Covid-19, morreu nesta quarta-feira (21). Ele era médico e morreu em decorrência de complicações da Covid-19, segundo publicou o G1. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não informou se ele tomou a dose da vacina ou placebo.

João Pedro Feitosa tinha 28 anos, era médico recém-formado e morava no Rio de Janeiro. 

Em nota, a Anvisa informou ter sido notificada do óbito em 19 de outubro e que o comitê independente que acompanha o caso sugeriu o prosseguimento do estudo.

> Vacina da Oxford pode ser concluída até o final de 2020, prevê presidente da AstraZeneca

> Testes da vacina de Oxford contra Covid-19 são retomados no Brasil

A vacina desenvolvida em parceria entre o laboratório AstraZeneca e a Universidade de Oxford tem sido apontada como uma das principais esperanças de imunização contra a doença pelo Governo Federal.

Testes no Brasil

No Brasil, o composto será produzido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que assinou contrato, em setembro deste ano, de Encomenda Tecnológica (Etec) para prepará-lo nacionalmente. 

Os testes no país começaram em junho, com 8 mil voluntários. O estudo está na fase 3 dos testes, quando a eficácia da vacina é verificada a partir do monitoramento de milhares de voluntários.

Antes da fase 3, a segurança da vacina foi verificada em pesquisas com um número menor de voluntários e nenhuma reação grave foi verificada, somente reações leves, informou o G1. 

Previsão para 1º semestre de 2021

O Ministério da Saúde deve investir R$ 1,9 bilhão para o projeto AstraZeneca/Oxford, com intenção de oferecer 100 milhões de doses da vacina no primeiro semestre do próximo ano, caso os estudos confirmem sua eficácia e segurança. E prevê, ainda, a produção de mais 165 milhões de doses no Brasil no segundo semestre.

> Vacina da Oxford chega em janeiro, diz ministro da Saúde

No Ceará, o secretário da Saúde, Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho, Dr. Cabeto, projeta que as doses dessa vacina comecem a ser distribuídas até julho de 2021.

Em estudo da vacina de Oxford publicado em 20 de julho na revista científica "The Lancet", os cientistas citam reações consideradas leves e moderadas e não há registro de efeitos colaterais graves, revelou o G1.

Os testes iniciais, das fases 1 e 2, foram realizados na Inglaterra, com 1.077 voluntários.

Nota da Anvisa na íntegra: 

"Em relação ao falecimento do voluntário dos testes da vacina de Oxford, a Anvisa foi formalmente informada desse fato em 19 de outubro de 2020. Foram compartilhados com a Agência os dados referentes à investigação realizada pelo Comitê Internacional de Avaliação de Segurança. É importante ressaltar que, com base nos compromissos de confidencialidade ética previstos no protocolo, as agências reguladoras envolvidas recebem dados parciais referentes à investigação realizada por esse comitê, que sugeriu pelo prosseguimento do estudo. Assim, o processo permanece em avaliação. 

Portanto, a Anvisa reitera que, segundo regulamentos nacionais e internacionais de Boas Práticas Clínicas, os dados sobre voluntários de pesquisas clínicas devem ser mantidos em sigilo, em conformidade com princípios de confidencialidade, dignidade humana e proteção dos participantes. 

A Anvisa está comprometida a cumprir esses regulamentos, de forma a assegurar a privacidade dos voluntários e também a confiabilidade do país para a execução de estudos de tamanha relevância. 

A Agência cumpriu, cumpre e cumprirá a sua missão institucional de proteger a saúde da população brasileira." 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil

Assuntos Relacionados