Sempre tive preguiça de ganhar dinheiro, mas isso não é defeito

Nunca me considerei defeituoso por isso e minha caminhada foi um treinamento contínuo para viver com o essencial

estátua pensando
Legenda: Ao refletir sobre o absurdo da vida, o que fazer, senão seguir em frente, fingindo um sentido para tudo que nos rodeia?
Foto: Shutterstock

O homem é o nada, antes de nascer, e o nada que se segue, após a sua morte.

Teses sustentadas como essa nos fazem meditar, com um pouco de angústia, sobre a nossa existência no último terço de campo que nos resta.

Ao refletir sobre o absurdo da vida, o que fazer, senão seguir em frente, fingindo um sentido para tudo que nos rodeia?

O que passou não pode ser modificado. Portanto, passemos a boiada, priorizando a fruição.

Até aqui, quase tudo tem dado certo, mas é preciso ficar atento e forte para não morrer na praia ou entregar o jogo no terceiro tempo.

Mas, sabem, no critério de pontos corridos, adotado para o campeonato da vida, me ocorre um fato (uma receita) que funciona como uma garantia de equilíbrio para o cumprimento de tabela: viver com pouco e não ser subjugado pela força totalitária do dinheiro.

Acreditamos que a felicidade é que traz o dinheiro.

Como ensinou, em seus sermões, o Padre Antonio Vieira (o português): “Quem quer mais do que lhe convém, perde o que quer e o que tem”.

Confesso que sempre tive preguiça de ficar rico, o que é considerado, por quem detém um dinheirinho a mais, como um grande defeito: a falta de ambição.

Nunca me considerei defeituoso por isso e minha caminhada foi um treinamento contínuo para viver com o essencial. Mesmo porque as nossas deficiências não nos definem, elas fazem parte de nós.

Os desejos monetários foram sempre sendo substituídos por outros alimentos.

Ficar à mesa com os amigos (a mesa é a ribalta da amizade), lugar onde revelamos tudo aquilo que transita entre o coração e a alma, manter a família por perto e trabalhar pouco.

Adoro não ter o que fazer, mas não imagino, daqui por diante, viver como na Grécia antiga, onde poucos trabalhavam e muitos se dedicavam à leitura e à poesia.

Não é isso.

Quero ir, aos poucos, deixando os espaços no proscênio, para os que chegam, e flanar pela cidade, descobrindo a alma encantadora das ruas, como um João do Rio.

Não é desejar muito.