Suspensas, prévias tucanas alimentam desconfiança e divisão interna no PSDB

Disputam a preferência dos tucanos os governadores João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS), além do ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio

Legenda: João Doria e Eduardo Leite disputam voto a voto a preferência dos tucanos
Foto: Gustavo Mansur/ Palácio Piratini

Depois de um domingo inteiro de polêmicas, o PSDB decidiu suspender as prévias que devem escolher o candidato do partido para a disputa presidencial de 2022.

O adiamento da votação ocorreu após o aplicativo que serviria de ferramenta de voto dos filiados não funcionar. Com problemas técnicos, o voto foi interrompido.

O PSDB vai anunciar uma nova data para a continuidade do pleito. O problema é que ainda não se sabe quando. Enquanto isso, há ameças de correligionários em levar o caso à justiça. O tom entre tucanos é de desconfiança e acusações.

O deputado federal Alexandre Frota (SP) fez insinuações públicas ao grupo do governador Eduardo Leite de que o lado de lá estaria pagando por apoio nas prévias da sigla.

Já a deputada federal Mara Rocha (AC), que declarou voto em Leite, disse na urna que vai deixar o partido e apoiar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Falhas

Desde o início da manhã filiados apontavam problemas técnicos no aplicativo da legenda que começou a apresentar falhas por volta das 8h30. O partido chegou a postergar o período de votação, que seria de 7h às 15h. O processo acabou sendo encerrado às 18h sem solucionar a questão.

Em nota, o partido diz que "os votos recebidos tanto pelo aplicativo quanto por meio das urnas eletrônicas ao longo deste domingo serão totalizados ao final do processo de votação".

O sistema já era visto com desconfiança por parte dos integrantes do partido. Apesar disso, foi mantido para a escolha do pré-candidato neste domingo.

A deputada federal Joice Hasselmann, que anunciou filiação ao PSDB — mas que ainda não se encontra nos registros do partido — pediu "lisura" no processo eleitoral.

Em meio aos problemas técnicos, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pedia aos filiados para votarem. Mas o problema era justamente esse: não estavam conseguindo.

Nota do PSDB

Por volta das 18h do domingo, o partido emitiu nota oficial anunciando a suspensão das prévias.

"Lisura"

Pouco antes de encerrar a votação, o governador de São Paulo publicou nas redes sociais que os candidatos do partido querem mais transparência na eleição interna.

"Estamos a caminho, Arthur Virgílio e eu, da sede do PSDB para reunião com Bruno Araújo. Nossa posição é clara. Queremos prévias, lisura e que todos os filiados cadastrados tenham direito garantido ao voto!", escreveu João Doria.

Aplicativo

A Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FAURGS), responsável pelo sistema de voto no aplicativo, emitiu nota de esclarecimento.

"A Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FAURGS) esclarece que está investigando todas as possíveis causas da instabilidade verificada no aplicativo das prévias do PSDB. Desde que os primeiros relatos foram informados, os esforços dos técnicos da instituição estão em descobrir a causa da lentidão do sistema. Assim que houver total comprovação, o detalhamento desse ocorrido será levado a público", diz nota.

Ainda segundo a Fundação, "ao contrário do que foi especulado, os problemas não têm qualquer relação com a compra de licenças para suportar o reconhecimento facial dos filiados. Tanto é que o mesmo número de certificados permitiu o cadastramento bem-sucedido dos mais de 44 mil eleitores".

A instituição reforçou que os votos registrados não serão perdidos, e a segurança do sistema não foi afetada e que o processo está sendo acompanhado por técnicos representando as três chapas inscritas, garantindo lisura e transparência.



Assuntos Relacionados