Objetivo do Fortaleza na Série A é Libertadores e qualquer resultado diferente disso será frustrante

Das 21 rodadas que disputou, em 19 esteve no G4 de competição. Manteve regularidade, alto nível e competitividade diante dos principais adversários da Série A. Como não pensar em Libertadores?

vojvoda
Foto: Kid Júnior

Quatro meses de trabalho e a escolha por acelerar o processo de adaptação, formação de time, modelo de jogo e padrão tático. Vojvoda trouxe muitos diferenciais ao Fortaleza, principalmente nos dois aspectos mais difíceis para manter regularidade entre os jogos: rendimento e resultados. Claro que há outras equipes com jogos a serem completados na Série A, mas das 21 rodadas até o momento na Série A, o Fortaleza esteve no G4 em 19 delas. Com orçamento mais curto, esse tipo de regularidade alcançando o mais alto nível do futebol brasileiro é surpreendente.

Não há mais margem para questionamentos sobre o potencial do time encaixado, mas a verdade é que essa referência no futebol brasileiro de G4 na elite e semifinal inédita na Copa do Brasil passou por várias provas e contraprovas. Hoje, o Fortaleza é uma realidade do futebol brasileiro, vitrine de desempenho e resultados.

Há mais de um mês sem vencer na Série A e com três derrotas seguidas, isso significa queda de rendimento ou é uma oscilação natural de uma competição tão longa, onde as 20 equipes em disputa, em algum contexto dos jogos, conhecem a forma de jogar e tentam equilibrar?

Afinal, qual objetivo?

Algo é muito claro de entender. Os resultados alcançados pelo Fortaleza até o momento estão completamente fora da curva de planejamento para competição. No contrato do técnico Juan Pablo Vojvoda, o principal objetivo é conquistar uma vaga na Copa Sul-Americana, quando já entra a cláusula automática de renovação. Mas neste momento? Qual objetivo do clube? Com muita cautela, o discurso é semelhante ao do contrato do argentino. Porém, sem ignorar a atual realidade, esta é a meta: Taça Libertadores da América.

Com todos os valores de referências conquistados pelo clube neste momento de competição, agora trazendo para perspectiva do torcedor, como não pensar em Libertadores? Seja fase de grupos ou pré. Qualquer resultado ao fim da Série A diferente de uma "liberta" será, sim, frustrante, diante das perspectivas criadas no desempenho de temporada e o nível de competitividade alcançado contra adversários melhores abastecidos financeiramente.

O segundo turno da competição já começou e todos os clubes tem sua rota de objetivos traçados. Por que a cautela em perguntar qual objetivo do Fortaleza? Óbvio que entrou na cota de vagas para Libertadores, é um forte candidato para alcançar, até porque a 'nota de corte' para a fase principal deverá se estender para, pelo menos, um G6.

Por isso surgem dúvidas naturais sobre quanto essa oscilação representa queda de rendimento. A resposta está no contexto dos jogos, o time continua competitivo, em alto nível. Acidentes dentro das partidas acontecem, uma falta de eficiência nas chances claras criadas, uma falha defensiva e um gol sofrido no 'apagar das luzes' da partida. Mas algo está muito claro, não de forma tão explícita pelo clube, mas de se imaginar: a Taça Libertadores é objetivo e qualquer resultado abaixo dela, será sim, frustrante.