Dancinhas no Tik-Tok de forró e sertanejo não garantem vendas de ingressos no pós-pandemia

Influenciadores digitais e cantores dividem centenas de vídeos com
Legenda: Influenciadores digitais e cantores dividem centenas de vídeos com "dancinhas" em rede social
Foto: Reprodução/Instagram

As redes sociais foram invadidas por coreografias de forró sertanejo. Os gêneros aderiram o movimento do Tik-Tok graças aos influenciadores digitais. Braços erguidos com movimentos que contornam a cabeça seguidos de mãos que fazem gestos de coração e deslizam pelo corpo são as "dancinhas" mais comuns. 

Para alguns, as coreografias dos tiktokers já extrapolaram a barreira da chatice. O forró e sertanejo não precisam disso, visto que são ricos em danças.

É preciso fazer um alerta para fãs, produtores e artistas no sentido de venda de ingressos no pós-pandemia. O fato de milhares de pessoas gravarem vídeos com uma música em alta nos aplicativos de streaming não significa, necessariamente, um bom êxito na futura venda de ingressos de um show.

O brasileiro tem a facilidade de esquecer e trocar modinhas de forma rápida. O que é viral tem prazo de validade e não é de meses, por vezes são semanas. 

As dancinhas podem até incentivar o consumo de músicas em aplicativos como Deezer e Spotify, mas é preciso lembrar que o dinheiro que cai pelas execuções de play demora a chegar nas contas dos cantores e compositores. A arrecadação, por meio do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), demora de três ou até seis meses. 

Aos veteranos, digo: pensem em projeto audiovisuais e composições mais atraentes. Aos mais novos, o alerta é ter cuidado com as modinhas. O público precisa conhecer, inicialmente, o cantor pela voz e interpretação dada nas músicas. É preciso olhar para meios de firmar a relação entre fãs e shows de forma permanente, além do viral. 



Assuntos Relacionados