Beto Studart mobiliza pecuaristas para construir frigorífico

Ele quer aproveitar "o bom momento da pecuária cearense" para criar uma nova logística de abete de boi no Nordeste. Studart acaba de inaugurar, em sua fazenda, uma micro usina flutuante de energia solar.

Legenda: Criada, desenvolvida e instalada pelo engenheiro Fernando Ximenes, dono da Gram Eollic, a usina solar flutuante da Fazenda Chica Doce já opera
Foto: Fernando Ximenes/Gram Eollic

Um grupo de pecuaristas criadores de gado bovino para corte, liderados pelo empresário Beto Studart, movimenta-se no sentido de construir o Ceará um frigorífico industrial (o Ceará já tem um, o Frifort, inaugurado em 1959 e fechado alguns anos depois).

A ideia de Beto Studart, que já contagiou a pecuarista Candice Macedo Rangel, dona de um grande plantel de gado Nelore no município de Brejo Santo, no Sul do Ceará, é reunir os criadores cearenses para debater, primeiro, sobre a viabilidade do projeto; segundo, dimensionar a planta industrial; e, em terceiro lugar, localizar o empreendimento, que deve situar-se equidistante dos criatórios.

Citando Cervantes em Dom Quixote de La Mancha, Beto Studart repete estes versos para dar força à sua ideia:

“Sonhar o sonho impossível, sofrer a angústia implacável, pisar onde os bravos não ousam, reparar o mal irreparável, amar um amor casto à distância, enfrentar o inimigo invencível, tentar quando as forças se esvaem, alcançar a estrela inatingível: Esta é a minha busca.” 

Ele afirma que o Ceará já conta com vários pecuaristas criando Nelore, uma raça própria para corte.

“Vamos tentar juntá-los para aproveitar este bom momento da pecuária cearense”, diz Studart com o entusiasmo de quem está fazendo, com boa expectativa, uma aposta na megasena.
 
“Se esse projeto vingar, e ele tem tudo para dar certo, aumentaremos a população bovina do Ceará e criaremos uma nova logística de abate de bovinos no Nordeste brasileiro”, afirma ele.

Desde Brejo Santo, onde pessoalmente cuida do seu rebanho Nelore de 2.500 cabeças e dos seus negócios, Candice Rangel transmitiu a esta coluna a seguinte mensagem:

"Acho uma grande ideia. Além de gerar empregos, podemos agregar valor e nos tornarmos mais independentes das especulações do mercado que sempre busca precificar para menos a produção pecuária. Produtor sempre no risco do prejuízo. Temos sempre um grande desafio em produzir e somos os menos beneficiados na cadeia produtiva."

MICRO USINA SOLAR FLUTUANTE

Ontem, quarta-feira, 19, Beto Studart inaugurou, na sua Fazenda Chica Doce, na geografia do município de Pindoretama, uma microusina solar flutuante, que, sobre o espelho d’água de um açude, gera energia suficiente para movimentar uma bomba d'água com capacidade de 40 mil litros/hora, com rotor de alta potência e motor solar DC 4.400 RPM de 5 HP.
 
Todo o conjunto da usina tem, ainda, bases, longarinas e encaixes em alumínio desenvolvidos e fabricados pela empresa  Gram-Eollic, do engenheiro Fernando Ximenes, que a instalou na propriedade de Beto Studart. 

No projeto dessa microusina, a Gram Eollic inovou, criando e instalando um sistema de refrigeração das células solares, o que amplia o fator de potência em até 60%.

Agora, segundo Beto Studart, a Fazenda Chica Doce passa a ser vanguarda na energia solar com bombeamento flutuante de 40 mil  litros/hora, garantindo a irrigação de toda a área cultivada de feno de que se alimenta o seu rebanho de Gado Nelore.