Ceará: a falta de repertório preocupa

A queda drástica de rendimento do Vovô preocupa mais até do que a frustração nos primeiros objetivos da temporada

Imagem de Guto Ferreira à beira do gramado, gesticulando
Legenda: Imagem de Guto Ferreira à beira do gramado, gesticulando
Foto: AIZAR RALDES / AFP

Até a final da Copa do Nordeste, o Ceará dava a impressão que teria um ano fantástico

E não era ilusão ou precipitação. O time dentro de campo demonstrava uma solidez ímpar. Tinha exibições seguras. Conquistava cada vitória, campanhas invictas, com muita propriedade.

Mas a ausência desse futebol de uns tempos para cá, vem preocupando. Além de não ter obtido nenhum dos objetivos para essa primeira parte de temporada, vem chamando a atenção a falta de recursos para vencer na hora "H".

O tema principal dessa coluna de hoje é abordar o quanto o Ceará tem sofrido com a falta de repertório. Como se tornou um time previsível dentro das quatro linhas.

Se o adversário entrega a bola para o time de Guto Ferreira, sem deixar espaços para as transições rápidas em contra-ataques, isso "mata" toda e qualquer capacidade do alvinegro de levar perigo.

Problema diagnosticado desde o ano passado, mas que Guto ainda não conseguiu resolver.

Claro que Mendoza muito mal, Lima vivendo de lampejos, Vina muito aquém do ano passado, centroavante indefinidoYony sem mostrar a que veio... Fica complicado colocar a culpa apenas no treinador.

O fato é que o time precisa urgentemente se reinventar. Com essa previsibilidade, dias ainda mais difíceis virão.