Fortaleza tenta melhor classificação da história na Copa do Brasil e meta financeira; veja valores

Time cearense encara o São Paulo neste domingo (25), às 20h30, no Morumbi, pelas oitavas da competição

Legenda: Na temporada, o Fortaleza se sagrou bicampeão cearense em 2020
Foto: Thiago Gadelha / SVM

Após a conquista do bicampeonato cearense sob comando do técnico Rogério Ceni, o Fortaleza tem pela frente um novo capítulo no enredo centenário. Enfrenta o São Paulo no domingo (25), às 20h30, no Morumbi, pelas oitavas da Copa do Brasil. E uma classificação entra para a galeria dos grandes feitos tricolores.

Em si, a busca é para repetir a melhor marca da história leonina na competição. A única vez que o time atingiu as quartas no mata-mata foi em 2001, quando foi eliminado pela Ponte Preta. Na época, o torneio era realizado com menos participantes e etapas: 64 equipes contra as 91 da atual edição.

Naquele campanha, eliminou Sampaio Corrêa, Internacional e Bahia. Agora, entra no mata-mata contra um único rival. Na estreia, em confronto na Arena Castelão, o placar foi 3 a 3. O Fortaleza largou na frente, mas com nove em campo na reta final devido expulsões de Carlinhos e Felipe Alves não resistiu à pressão. Detalhe: se houver um novo empate, partida será definida nos pênaltis.

Ouça o podcast 'FortalezaCast'

Powered by RedCircle

Metas em premiação

O Fortaleza inicia a disputa da Copa do Brasil com R$ 2,6 milhões nos cofres. O valor é referente à cota das oitavas. E a vaga existe porque o time foi campeão do Nordestão em 2019, o que o credenciou direto para a fase. O mesmo ocorre com os participantes da Libertadores e Sul-Americana, por exemplo.

No regulamento, uma classificação para as quartas gera R$ 3,3 mi. Dentro do planejamento estratégico estipulado pela diretoria leonina para temporada, o valor deixa o Leão próximo de superar a  projeção em premiações.

Valores de premiação projetados pelo Fortaleza

  • 1ª fase da Copa Sul-Americana: R$ 1,34 mi (US$ 300.000)
  • Oitavas da Copa do Brasil: R$ 2,6 mi  
  • Semifinal da Copa do Nordeste: R$ 3,875 mi
  • 16ª posição na Série A: R$ 6 mi
  • Total: R$ 13,8 mi

Com o orçamento no início do ano de R$ 109 milhões - antes da pandemia - a parcela destinada às premiações envolve: 1ª fase da Sul-Americana (R$ 1,34 mi), semifinal da Copa do Nordeste (R$ 3,875 mi), oitavas da Copa do Brasil (R$ 2,6 mi) e a 16ª posição na Série A do Brasileiro (R$ 6 mi). O total é cerca de  R$ 13,8 milhões.

Assim, conquistar a cota das quartas da Copa do Brasil  significaria atingir 80,4% da meta, em saldo de R$ 11,1 milhões. No contexto de pandemia de Covid-19, qualquer receita extra gerada é motivo de vibração da atual gestão.

Em tempo: objetivos são nivelados dentro de ações que podem ser atingidas para não gerar déficit no orçamento.