Prisão: STF acertou?