No conforto do lar

Com a orientação do profissional habilitado, o risco de lesões é menor e a garantia de qualidade de vida, muito maior.

atividade física

Sabemos que a violência urbana e a falta de tempo nos dias de hoje estão alterando o cotidiano e estimulando cada vez mais pessoas a buscar nos condomínios segurança, praticidade e conveniência na hora de escolher a nova moradia. Atualmente, um em cada três lançamentos imobiliários possui academia de ginástica, fitness center, quadras, piscinas ou espaço para a prática da atividade física. Apesar de tantas vantagens, essas academias podem oferecer riscos à saúde dos moradores, caso não haja a presença de um Profissional de Educação Física habilitado e registrado para orientar os moradores na hora de praticar exercícios.” O alerta é de Rômulo Veras, Diretor do Conselho Regional de Educação Física (CREF5-CE) e personal trainer especialista em emagrecimento e condicionamento físico. “O CREF5-CE mantém uma campanha de valorização profissional. A ideia é alertar toda a sociedade para a importância da atividade física ser orientada por um profissional registrado no CREF5-CE e habilitado. Com a prática orientada por leigos, a sociedade corre perigo. As pessoas podem sofrer riscos à saúde, com a possibilidade de lesões, de não obter resultados esperados e problemas que podem acompanhar por toda a vida”, alerta o especialista.

Por isso, é importante o acompanhamento de profissional corretamente habilitado durante a atividade física, de modo a dar segurança ao praticante. “Esses espaços (condomínios) têm se tornando um ambiente com infraestrutura física de lazer, acessibilidade e segurança, incentivando a prática de atividade física e a ampliação do convívio entre as famílias, dispensando a necessidade de sair de casa”, analisa Dra. Andréa Benevides, Vice-Presidente do CREF5-CE e Coordenadora do Curso de Educação Física da UniAteneu.

Acompanhamento

Ciente dessa necessidade, o empresário Pedro Ivo Frota buscou um personal trainer para fazer musculação no condomínio onde mora. “Pratico há quatro anos e não pretendo parar. O que mais me motiva a praticar atividade no condomínio é o ganho de tempo, a boa conversa com os vizinhos e a importância do acompanhamento constante de um profissional de Educação Física”, frisa o empresário.

De acordo com o estudo desenvolvido na tese de doutorado de Andréa Benevides sobre adesão à prática de atividade física, os fatores que levam as pessoas à praticá-las ultrapassam o simples esforço estético. As pessoas procuram também qualidade de vida e a construção de relações sociais, enfatizando a convivência pós-treino com os vizinhos. “As atividades em grupo nos condomínios permitem trocas e apoio que aumentam a identificação entre as pessoas e que são favoráveis à realização de exercícios, possibilitando novos comportamentos”, sinaliza a Vice-Presidente do CREF5-CE.

Alerta

De acordo com a Lei Federal 9696/98, que regulamenta a profissão de Educação Física, toda atividade física e esportiva deve ser orientada por um profissional da área habilitado e registrado nos Conselhos Federal e Regional de Educação Física, os quais são responsáveis por orientar os profissionais sobre o exercício do seu ofício; zelar pela ética da profissão em todas as suas áreas de atuação; regular e fiscalizar os limites de atuação profissional; registrar, cadastrar e manter dados sobre os profissionais; e normatizar as diretrizes da profissão. No caso de o serviço ser ofertado por alguma empresa ou assessoria esportiva, é necessário apresentar também o registro de Pessoa Jurídica. Os condomínios estão sujeitos à fiscalização e podem sofrer autuações em caso de irregularidades. É fundamental contar com a orientação de um profissional de educação física, pois praticar atividades físicas de forma inadequada pode gerar uma série de problemas.

FONTE : Dra Andréa Benevides, Vice-Presidente do CREF5-CE e Coordenadora do Curso de Educação Física da UniAteneu.