Parque eólico de R$ 1,4 bilhão em Icapuí começa a operar no 2º semestre

Empresa vê potencial para vender energia a empresas cearenses, no mercado livre. Foco são clientes com contas de energia acima de R$ 15 mil

Legenda: Obras do Complexo Eólico Kairós, em Icapuí
Foto: Divulgação
Página patrocinada por:

O complexo de geração de energia eólica da 2W Energia em Icapuí, no litoral leste do Ceará, deve começar a operar em setembro deste ano. Com investimentos totais da ordem de R$ 1,4 bilhão, o projeto inicia a montagem dos primeiros aerogeradores ainda em abril.

Segundo Cláudio Ribeiro, CEO da empresa, em torno de mil pessoas estão trabalhando nas obras. O parque eólico deve gerar, ao todo, 4 mil vagas.

O empreendimento divide-se em duas fases. Na primeira, com aporte de R$ 650 milhões, funcionarão 25 aerogeradores da Vestas, produzidos no Ceará.

A fase 2, que absorverá R$ 750 milhões em investimentos e adicionará 33 torres ao complexo, totalizando 58 e uma capacidade instalada de 261 MW — suficiente para abastecer 670 mil residências.

Obras do Complexo Eólico Kairós, em Icapuí
Legenda: Obras do Complexo Eólico Kairós, em Icapuí
Foto: Divulgação

Venda de energia

A energia produzida será comercializada no mercado livre, com foco em pequenas e médias empresas, a um custo cerca de 30% menor que o da concessionária. A 2W oferece uma cesta diversa de produtos aos clientes, incluindo soluções sustentáveis, financeiras e de ESG.

Segundo Ribeiro, a empresa está intensificando sua estratégia comercial no Ceará para negociar a produção, "vendendo a energia cearense para os cearenses".

A estimativa de Ribeiro é que o Estado tenha por volta de 10 mil empresas que ainda estão no mercado ativo e já poderiam ter migrado para o livre, pagando mais barato pela energia. Um dos motivos para a não adesão é o desconhecimento sobre o ambiente livre, no qual é possível comprar a energia do fornecedor desejado, assim como um cliente de banda larga escolhe o seu provedor de internet.

A 2W quer captar pelo menos 1.000 desses negócios no Ceará. O alvo é de empresas com contas de energia acima de R$ 15 mil por mês.

 

 



Assuntos Relacionados