Melhor tenista brasileira no ranking da WTA da história, Luisa Stefani busca final em 1º grand slam

Tenista que vem ganhando destaque, principalmente, após bronze olímpico nas duplas, disputa nesta quarta-feira, às 13h, as quartas de final do US Open, ao lado da canadense Gabriela Dabrowski

Luisa Stefani coloca o tênis brasileiro novamente nos holofotes
Legenda: Luisa Stefani coloca o tênis brasileiro novamente nos holofotes
Foto: Pascal Ratthé/Tennis Canada

Imagine estar praticamente de telespectadora dos Jogos Olímpicos e a três dias da cerimônia de abertura saber que seria possível realizar o grande sonho de participar do maior evento esportivo do mundo ? E ainda mais: não só participar, mas chegar ao pódio e conquistar a primeira medalha da modalidade para o País? Isso já não é novidade e se trata da história da dupla brasileira Luisa Stefani e Laura Pigosi.  

Laura Pigossi e Luisa Stefani conquistaram o melhor resultado do tênis brasileiro em Olimpíadas
Legenda: Laura Pigossi e Luisa Stefani conquistaram o melhor resultado do tênis brasileiro em Olimpíadas
Foto: AFP

Após o impulso conquistado com o resultado nas Olimpíadas, as duas voltaram às rotinas de competições, mas o espaço alcançado para o tênis brasileiro já não seria mais o mesmo. Tivemos grandes nomes na modalidade nos últimos anos. Além da lenda, Gustavo Kuerten, Marcelo Melo, por exemplo, foi o número 1 do mundo por 56 semanas e Bruno Soares conquistou seis slams. Mas entre as mulheres talvez não tenhamos chegado a esse destaque desde a maior que já tivemos: Maria Esther Bueno, detentora de 589 títulos internacionais e com conquistas distribuídas por três décadas. 

A  Associação das Tenistas Profissionais (WTA) foi criada apenas em 1975, quando nossa grande referência já estava perto de encerrar definitivamente a carreira (mas ainda nesse ano esteve entre as 29 melhores do mundo). No ranking, Luisa Stefani se consagra ao ser a primeira representante nacional a figurar entre as 20 melhores colocadas (17ª). A brasileira vem se destacando como duplista e almeja chegar muito mais longe. 

Nesta quarta-feira (8), às 13h, a dupla formada por Luisa Stefani e pela canadense Gabriela Dabrowski tenta mais um resultado histórico. Se vencerem as thecas Marie Bouzkova e Lucie Hradecka,  uma brasileira volta à semifinal de um grand slam, desde Maria Esther Bueno. 

As últimas competições têm sido de resultados positivos para as duas, que chegaram em três finais consecutivamente:  

– vice-campeãs : WTA 1000 Cincinnati  

– campeãs : WTA 1000 Montreal  

– vice-campeãs : WTA 500 San Jose (EUA)  

Luisa Stefani e Gabriela Dabrowski buscam vaga histórica na semifinal do US Open
Legenda: Luisa Stefani e Gabriela Dabrowski buscam vaga histórica na semifinal do US Open
Foto: AONG Photo

A importância de Luisa para o tênis brasileiro é não apenas pelas conquistas, mas por conta também da representatividade. O ambiente é dominado por exemplos masculinos, ter uma mulher local entre as melhores do mundo é incentivo para muitas meninas que sonham em seguir pelo mesmo caminho. E para um País ainda emergente no cenário internacional, além do suporte financeiro e estrutural, ter figuras que mostrem que é possível “chegar lá” é imprescindível para continuar alimentando possibilidades e descobrindo novos talentos.